Filipa Maia

Instagram Feed

    5 Hábitos para estimular a criatividade

    Hábitos para estimular a Criatividade

     

    Como empreendedores criativos, vivemos de ideias e quando elas falham podemos sentir-nos perdidos. Mas há alguns hábitos que podemos implementar para evitar que isso aconteça!

     

    O medo que a criatividade se esgote

     

    Também costumas ter aquele pesadelo em que um cliente te contrata para um trabalho criativo e não consegues, de forma alguma, ter boas ideias? Ou, pelo menos, ideias mais ou menos boas, vá.

     

    Sei como isso pode ser assustador, mas é exatamente por esse medo – e porque não queremos (mesmo!) que isso aconteça – que devemos trabalhar no nosso dia a dia para estimular a nossa criatividade.

     

    Há alguns hábitos simples que podes implementar para te tornares ainda mais criativo e, com o tempo e à medida que vais percebendo que estes hábitos funcionam mesmo, deixarás de ter este medo tão comum no mundo do empreendedorismo criativo.

     

    Também podes ver o vídeo:

     

     

    1 – Usa exercícios estruturados

    Por vezes, temos alguns preconceitos em relação à realização de exercícios estruturados para funções criativas. Temos aquela visão idealista de que as ideias devem surgir naturalmente e sem ser necessário grande esforço.

     

    Apesar disso, os exercícios estruturados podem ser uma grande ajuda no momento de gerar ideias e há vários a que podes recorrer, avaliando quais os que melhor se adaptam a ti e à tua atividade.

     

    Por exemplo, a utilização de ferramentas ou exercícios como mindmaps, brainstorming (se houver outra(s) pessoa(s) com quem realizar o exercício), brainwriting (no caso de estares sozinho), técnica dos seis chapéus, da associação de ideias, ou mesmo daydreaming (deixar a mente deambular) ou meditação, podem dar origem a ideias muito interessantes.

     

    2 – Mantém uma lista/diário/caderno de ideias

    Se precisas de ter ideias de forma consistente, para alimentar a produção de conteúdos, por exemplo, para um blog (tal como eu faço aqui), então deves manter uma lista de ideias e registar todas as que te ocorrem.

     

    Não precisas de começar a trabalhar nessas ideias logo de seguida. Basta que tires uma nota rápida (mas que te permita recordar, por inteiro, qual era a ideia) e quando estiveres preparado para trabalhar nela, ela lá estará à tua espera.

     

    Se produzes algum tipo de conteúdos regulares, quer sejam conteúdos escritos, em vídeo ou em audio, não haverá nada pior do que sentares-te à secretária sabendo que precisas de produzir o conteúdo seguinte, pois tens um calendário a cumprir, e esperares que, nesse momento, te surja uma ideia excelente.

     

    Se mantiveres uma lista de ideias, quando te sentares para trabalhar basta consultar essa lista e escolher a ideia que vais trabalhar a seguir. Podes simplesmente escolher aquela que te der mais vontade de trabalhar no momento ou, se tiveres um calendário editorial (o que é melhor ainda!) podes escolher trabalhar a ideia que vem a seguir no teu calendário.

     

    Garanto que se fores registando estas ideias, nunca vais chegar à fase de produção apenas para perceberes que não tens nenhuma ideia boa para trabalhar.

     

    Podes usar vários métodos para registar estas ideias, mas o que recomendo é que uses um dos seguintes:
    . um pequeno caderno que ande contigo para todo o lado, ou
    . uma app de notas no teu smartphone.

     

    Se tiveres uma boa ideia e não a registares no momento porque pensas que quando chegares a casa ainda te vais lembrar, fica desde já avisado que a probabilidade de perderes essa ideia é bastante elevada (não tenho números concretos nem qualquer estudo científico, mas diria que é para cima de 90%!)

     

    3 – Afasta-te do teu trabalho

    O processo criativo tem várias fases – não, não é só o momento em que tens a ideia, é bastante mais complexo do que isso. As fases do processo criativo são:
    . Preparação
    . Incubação
    . Iluminação
    . Verificação

     

    Muitas vezes, quando pensamos em criatividade, apenas temos em mente a fase da Iluminação: O momento em que a ideia te surge e te sentes a pessoa mais criativa de sempre. No entanto, há muito trabalho que acontece antes desse momento, mesmo que por vezes ele aconteça de forma inconsciente.

     

    Uma fase muito importante do processo criativo é a Incubação, em que tu já apreendeste a informação necessária à resolução do problema ou da tarefa (Preparação), mas o teu cérebro ainda está a criar associações entre as diferentes partes dessa informação. Este processo acontece de forma inconsciente e não é continuando a olhar para a informação ou para o problema que vais conseguir acelerá-lo.

     

    Nesta fase, é importante que deixes o teu cérebro fazer o seu trabalho – ele sabe bem o que tem de fazer, podes confiar! Para isso, deves afastar-te do teu trabalho e relaxar! Sim, relaxa e aproveita para fazer atividades que te proporcionem prazer e bons momentos.

     

    Vai dar uma caminhada, lê um livro, vê um filme, vai ao ginásio ou combina um jogo qualquer com os teus amigos (tanto pode ser futebol como um escape game!). Relaxa, desliga, mexe-te, e não penses no problema que tens para resolver.

     

    4 – Consome conteúdo criativo

    Há um conceito muito interessante – e com o qual concordo plenamente – neste mundo do empreendedorismo criativo:

     

    Ideas in = Ideas out

     

    Precisas de consumir informação para ter ideias novas. Precisas de um input de ideias para que o teu cérebro possa apreendê-las, associá-las de uma forma que só tu serias capaz – devido às tuas experiências prévias, personalidade, crenças, etc. – e gerar um output de ideias único no mundo: as tuas ideias.

     

    Podes consumir conteúdo sob várias formas:
    . ler livros (de ficção e não-ficção) e artigos
    . ouvir podcasts ou audiobooks
    . ver vídeos no Youtube
    . ver documentários, filmes ou séries
    . ir ao teatro, a um concerto ou a uma exposição de arte
    . conversar com outras pessoas – sim, outras pessoas que conheces na vida real também podem ser uma fonte de ideias.

     

    Não sei quanto a ti, mas eu adoro consumir conteúdos, por isso o facto de poder dizer que o faço para estimular a minha própria criatividade, deixa-me um bocadinho mais descansada quando passo horas a fazê-lo!

     

    5 – Ensina outros

    Podes não acreditar, mas ensinar um tópico a outras pessoas também pode estimular a tua criatividade.

     

    O facto de reunires informação sobre um dado tópico e a estruturares de uma forma cuidada e que possa ser apreendida por outras pessoas, muitas vezes obriga-te a olhar para os conteúdos de uma maneira diferente, permitindo-te fazer associações que, de outra forma, não farias.

     

    Para além disso, o facto de provavelmente dedicares uma boa dose do teu tempo a reunir informação e a estudar o tópico, ajuda também à geração de novas ideias – muito em linha com o ponto anterior.

     

    Assim, da próxima vez que tiveres de preparar uma apresentação ou uma formação sobre um determinado tópico, aproveita para mergulhares na informação e deixa a tua criatividade voar.

     

     

    Implementa estas dicas e acredito que deixarás de ter bloqueios de criatividade e o medo de nunca mais teres uma ideia boa vai desaparecer.

     

    Como empreendedores criativos, vivemos de ideias e quando elas falham podemos sentir-nos perdidos. Mas há alguns hábitos que podemos implementar para estimular a criatividade. Vê aqui 5 que podes implementar já.

    O que tens a dizer sobre isto? Deixa um comentário