Filipa Maia

Instagram Feed

    Business Mindset

    • Medo de falhar

      medo de falhar

      Este é um medo que impede muitas pessoas de agirem, mas, quanto a mim, a falha não existe.

      Sei que isto pode até parecer-te estranho, mas vou explicar-te as minhas razões para pensar assim.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      E ouvir o episódio 15 do Podcast Lifestyle by Design:

       

      Sempre que tentamos fazer algo novo, algo de diferente, pode acontecer uma de duas coisas: ou vamos obter os resultados pretendidos ou vamos aprender a lição que precisamos de aprender.

      Ora, eu acredito que as falhas são, na realidade, lições, porque todas as falhas permitem aprendizagem.

      Na minha opinião, quando não conseguimos aquilo que pretendíamos, ou seja, quando ficamos aquém dos nossos objetivos, temos sempre uma aprendizagem a retirar. E é este processo sucessivo de tentativa e erro e consequentes aprendizagens que nos faz crescer e, eventualmente, chegar aos nossos objetivos e aos resultados que efetivamente correspondem às nossas expectativas.

      Muitas pessoas podem ver a falha como consequência de terem escolhido um caminho errado. Eu, contudo, quando não obtenho os resultados pretendidos, considero que apenas descobri um caminho errado.

      Lembras-te dos labirintos que vinham nas revistas de atividades quando éramos crianças? Pois bem, imagina que estás a percorrer esse labirinto com o teu lápis e, de repente, chegas a um beco sem saída. O que fazes? Aposto que voltas para trás e já sabes que tens de experimentar outro caminho. E assim sucessivamente até encontrares o caminho certo para a saída. Certo?

      O mesmo acontece, na minha perspetiva, com os nossos processos de tentativa e erro. Quando falhamos significa, simplesmente, que descobrimos um caminho que não nos vai levar onde queremos e, portanto, temos de seguir por outro.

      Quantos mais caminhos errados vamos descobrindo, mais próximas estamos de descobrir o caminho certo.

      É por isto que não acredito que existe uma verdadeira falha, mas apenas uma descoberta de caminhos que não funcionam.

      Encararmos a falha como um processo de aprendizagem e descoberta torna o caminho muito mais leve e fácil.

       

      Depois disto, diz-me: o que farias se soubesses que só precisavas de falhar mais uma vez para alcançares o teu maior sucesso?

       

      O medo de falhar é uma das coisas que pode impedir as pessoas de começarem os seus negócios ou projetos. Eu acho que a falha não existe. Descobre porquê.

    • 3 Mitos na Criação de Cursos Online

      cursos online mitos

       

      Será que é um destes 3 mitos que vou partilhar contigo neste artigo que te está a impedir de criares o teu próprio curso online?

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      1 – Audiência

      Algumas pessoas acreditam que, para terem sucesso com um curso online, precisam de ter uma audiência muito grande.

      No entanto, aquilo que estas pessoas ainda não sabem é que a criação do curso e o seu lançamento vão contribuir, por si só, para o crescimento dessa audiência. Ou seja, fazendo as coisas certas, ao criares e divulgares o teu curso, vais atrair as pessoas que estão interessadas nesses conteúdos que tens para partilhar. Afinal, ao falares disso nas redes sociais, comunicando como podes ajudar as pessoas e, até, utilizando uma estratégia cuidada de anúncios pagos no Instagram e Facebook, vais acabar por chegar ao teu público-alvo e atrair a sua atenção.

       

      2 – Curso perfeito

      O teu curso não precisa de ser perfeito. Nada é perfeito, na verdade, e procurar a perfeição é meio caminho andado para a autossabotagem e para a procrastinação.

      Muitas pessoas acreditam que, para criar um curso online, é necessária uma grande produção, equipamento de última geração, um cenário muito trabalhado, vídeos muito bem filmados e editados com qualidade profissional ou até um determinado número de módulos dentro do curso para que valha a pena avançar com ele. Contudo, depois de passarem imenso tempo a criar tudo isto que julgam necessário, apercebem-se de que, afinal, aquele curso e aqueles conteúdos não têm interesse assim para tanta gente como pensavam.

      Então, na minha opinião, a estratégia mais inteligente é fazer um proof of concept, um teste, e perguntar às pessoas se terão interesse no curso que estás a pensar criar e, se sim, dar a essas pessoas o curso numa versão de teste. E podes até, depois, dar benefícios a estas pessoas na aquisição da versão completa do curso.

      Com isto, vais conseguir, por um lado, saber se há pessoas interessadas no curso que queres criar e, por outro, conseguirás testemunhos acerca dos conteúdos do curso que te darão credibilidade aquando do lançamento da versão final.

       

      3 – Não podes cobrar muito

      Isto também é um mito, porque o preço que colocares ao teu curso dependerá da estratégia da tua marca, do teu posicionamento e do tipo de pessoas que queres que se inscrevam.

      O teu principal objetivo com o curso deve ser que as pessoas que o frequentem obtenham determinados resultados, por isso, quanto mais as pessoas precisarem de investir no teu curso, mais comprometidas estarão com o processo, o que, por sua vez, vai fazer com que obtenham melhores resultados. Daqui, consegues retirar 2 vantagens adicionais: a primeira é que o teu curso vai ter um impacto maior na vida destas pessoas e a segunda é que vais conseguir testemunhos valiosos para apresentares às pessoas da tua comunidade que ainda não experimentaram o curso.

      Ao cobrares um valor mais elevado vais garantir que tens contigo pessoas altamente comprometidas com os resultados que querem obter e, com esses mesmos resultados, estás a ter mais impacto e, simultaneamente, a conseguir vários testemunhos e casos de estudo de pessoas que já aplicaram aquilo que tu lhes ensinaste. Depois, podes, então, apresentar esse feedback à comunidade que tens à volta da tua marca e, assim, ganhar ainda mais credibilidade.

       

      Acreditavas em algum destes mitos? E o que pensas deles agora? Vou gostar muito de saber a tua opinião sobre este assunto.

       

      Há várias pessoas a criar os seus cursos online, mas alguns hesitam ou desistem. Mas não é preciso ter medo: ficam aqui 3 mitos sobre cursos online.

    • Cursos Online: Duas verdades que ninguém te diz

       

      cursos online verdades

       

      Os cursos online começam, agora, a ser mais frequentes em Portugal, ainda que esta modalidade de formação seja já muito comum noutros países.

      Eu mesma sou uma grande adepta desta “moda” que agora surge por cá, até porque sou uma ávida consumidora desta modalidade de formação, mas há algumas questões a considerar quando falamos de criar um curso online.

      A maior parte das pessoas segue esta via da criação de cursos online como uma forma de criar um rendimento passivo, mas há duas verdades sobre isto que poucas pessoas conhecem.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      1. Ninguém quer comprar um curso online

      Isto significa que comprar um curso online não é a prioridade de um potencial cliente que chega até nós. As pessoas procuram uma solução para o seu problema e as pessoas vão querer comprar aquela que lhes parece ser a melhor solução para esse problema.

      É por isto que não deves procurar vender a esta pessoa o teu curso online, mas sim a solução que tu tens para a ajudar a resolver o seu problema. E, apesar de essa solução até passar pela aquisição do teu curso online, a forma como a apresentas tem de ser totalmente diferente. Ou seja, deves manter sempre o foco na solução que tens para essa pessoa e nos resultados que ela vai obter se seguir aquilo que tens para lhe propor. O curso online, neste caso, é, simplesmente, o meio pelo qual a pessoa terá acesso àquela solução de que tanto precisa.

       

      2. Cursos online não são fontes de rendimento passivo

      O teu curso online, a partir do momento em que o crias, vive sozinho, não necessita mais da tua intervenção, mas a realidade é que não se vende sozinho.

      Por exemplo, ter um curso permanentemente com inscrições abertas pode ser contraproducente, porque as pessoas sabem que ele estará sempre ali, disponível, e, como tal, não vão tomar a inscrição como uma prioridade. Por isso, manter um curso com inscrições quase sempre fechadas e abrir inscrições só em determinadas alturas e durante um período limitado irá contribuir para que obtenhas melhores resultados nas vendas. Isto porque as pessoas sabem que, se não se inscreverem nessa altura, podem perder a oportunidade. Ora isto – lançar inscrições, promover o curso, gerir e fechar inscrições – exige trabalho. E se gera trabalho deixa de ser um rendimento passivo.

      Isto significa que não deves criar um curso online? Claro que não, porque apesar de dar trabalho durante o período de inscrições, de facto, não há limite ao rendimento que podes obter através da venda de um curso online.

      Um curso online, na minha opinião, não é uma forma de rendimento passivo, mas sim um método de alavancagem, ou seja, com a mesma quantidade de trabalho consegues exponenciar os teus resultados, quer em termos de impacto quer de rendimento gerado.

       

      Resumindo:
      – Vale a pena criar um curso online? Sim.
      – Deves avançar com a criação do curso com a ilusão de que com isso estarás a gerar rendimento passivo? Não.
      – Deves promover o teu curso online? Não, promove antes a solução que o teu cliente ideal procura para o seu problema.

      Agora, conta-me, já tens alguma ideia para a criação de um curso online para o teu negócio ou já tens algum a decorrer e sobre que tema? Partilha comigo o teu ponto de situação nos comentários.

       

      Muitas pessoas começam a criar cursos online... e ainda bem! Mas há duas verdades sobre cursos online que precisas de saber!

    • Medo da exposição: O que precisas de saber para o ultrapassares

      medo da exposição

       

      Se tens, ou queres vir a ter, um negócio próprio ou desenvolver a tua marca pessoal, mas tens medo da exposição, lê este artigo e vê o vídeo que tenho para ti sobre este tema. A melhor forma de começarmos a falar sobre este tema é desconstruindo cada uma das suas partes.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

       

      1 – O Medo

      O medo não passa de uma emoção e existe para nos avisar de alguma coisa, nomeadamente de um potencial perigo à nossa volta. O medo existe para nos proteger e é ativado quando percecionamos uma ameaça. A questão, aqui, é que nem sempre essa ameaça é real.

      Assim, o que te recomendo é que, mais do que abafar ou evitar o medo, comeces a aprender a conviver com o medo.
      Atualmente, o medo já não me paralisa. Em vez disso, funciona como uma bússola, indicando-me o caminho que devo seguir. Afinal, o medo só surge em relação a coisas que são muito importantes para nós e que podem fazer a diferença na nossa vida e na vida de outras pessoas.

      Então, se queremos fazer algo que é importante para nós, não devemos deixar que o medo nos paralise. Devemos, apenas, usá-lo como bússola. Lembra-te que quanto mais medo sentires de fazer alguma coisa, mais isso significa que fazê-lo é importante para ti.

      Por isso, podemos e devemos avançar mesmo com o medo presente.

       

      2 – A Exposição

      A exposição é habitualmente encarada como algo negativo, mas a verdade é que ela é inevitável se temos uma mensagem para passar ao mundo.

      Não conseguimos fazer chegar a nossa mensagem sem nos expormos, sem nos mostrarmos, sobretudo se esta mensagem estiver ligada a nós, aos nossos valores e ao nosso propósito.

      Vou-te propor que, agora, penses comigo de outra forma: quanto mais exposta eu ficar, mais longe consigo levar a minha mensagem, quantas mais pessoas ouvirem aquilo que tenho para partilhar, mais vou conseguir divulgar aquilo que tenho para dizer.

      Este é o lado positivo da exposição e é nele que te deves focar, pois quando a nossa vontade de levar a nossa mensagem mais longe se torna maior do que o medo da exposição é quando decidimos começar a expor-nos.

      Foca-te na tua mensagem e naquela pessoa que precisa mesmo de ouvir a tua mensagem. Pensa na pessoa cuja vida vai ser impactada quando ouvir a tua mensagem e como ela iria ficar se a tua mensagem não chegasse até ela. É ou não uma pena que tantas pessoas fiquem sem saber aquilo que tens para dizer só porque tens medo da exposição?

       

      3 – Medo do julgamento

      Muitas vezes, o medo da exposição resulta do medo do julgamento que vem com a exposição.

      Aqui, é preciso termos consciência do seguinte:

      • É impossível agradar a toda a gente; haverá sempre quem não se identifique com a tua mensagem; não há problema absolutamente nenhum nisso. Lembra-te que o julgamento das outras pessoas não diz nada sobre a pessoa que tu és, mas sim sobre aquilo que elas pensam sobre si próprias e aquilo que as incomoda nelas. Treina-te para te tornares imune a esse julgamento.
      • É fundamental saber distinguir o que é um feedback construtivo – mesmo que implique apontarem-nos algo que temos a melhorar – e o que é um julgamento negativo, maldoso e, às vezes, até cruel. O feedback positivo tem o potencial de nos fazer melhorar e é a esse feedback, e só a esse, que deves dar crédito.

       

      4 – Autoimagem

      O medo da exposição está também, muitas vezes, relacionado com a nossa autoimagem. Eu própria, antes de começar o meu canal do Youtube, tive muito medo de me expor e de ter de lidar com a minha autoimagem e com aquilo que os outros poderiam pensar de mim.

      Felizmente, percebi que os filtros que aplicamos quando olhamos para nós próprios são totalmente diferentes dos que aplicamos quando olhamos para os outros.

      A nossa tendência ao olharmos para nós é detetar imediatamente os nossos próprios defeitos e, depois, é difícil focarmo-nos noutras coisas que não sejam aquilo de que não gostamos em nós. Mas a verdade é que aquilo que vemos numa imagem nossa não é o mesmo que outra pessoa vê quando olha para nós. O nosso filtro distorce a realidade.

      Deixo-te um exercício: Olha para uma fotografia tua e procura aquilo que tu tens de melhor, foca-te naquilo que são os teus pontos fortes e começa a ver-te com esse filtro. Assim, vais começar a ter uma ideia mais aproximada da forma como as outras pessoas te veem.

       

      E, agora, de que estás à espera? O teu medo da exposição só vai desaparecer quando começares. Estou certa de que tens uma mensagem para passar ao mundo e que há muitas pessoas que vão beneficiar daquilo que tu tens para partilhar com elas.

      Conta-me nos comentários o que é que fez mais sentido para ti neste artigo e o que é que pode realmente fazer a diferença para que avances e comeces a transmitir a tua mensagem.

      O medo da exposição não deve ser um impedimento no caso de teres ou quereres vir a ter um negócio próprio ou desenvolver a tua marca pessoal.

       

    • Como Crescer nas Redes Sociais

      Crescer nas redes sociaisc

      Este é um tema que, por norma, desperta sempre o interesse de quem usa as redes sociais para trabalhar, para divulgar o seu negócio e chegar a cada vez mais pessoas.
      Contudo, a abordagem que vos apresento hoje é, talvez, um pouco diferente daquela que seria expectável.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      Quem me acompanha pelo Youtube e viu o vídeo sobre a palavra que escolhi para 2019 sabe que este ano me vou focar mais em temas relacionados com Mindset e menos nos temas relativos a estratégia. Parece paradoxal, mas é com base nesta linha de pensamento que quero falar convosco sobre este tema do crescimento nas redes sociais.

      Para isso, preciso de clarificar o que é que, para mim, significa crescer nas redes sociais. Quando me refiro ao crescimento nas redes sociais, não estou a falar em fazer crescer o número de seguidores. Na verdade, o número de seguidores não importa nada para o crescimento do nosso negócio, pois não são os seguidores que pagam as contas ou trazem lucro ao negócio e encontramos facilmente contas com um elevadíssimo número de seguidores que, depois, não refletem propriamente um negócio de sucesso.

      Então, quando falo em crescer nas redes sociais, refiro-me concretamente a 2 aspetos: interação e conversão de seguidores em clientes.  A chave é termos seguidores que estão realmente interessados naquilo que estamos a dizer e naquilo que temos para vender. Não importa se são 10, 10 mil ou 10 milhões. O importante é que tenham interesse naquilo que temos para partilhar e naquilo que vendemos.

      Neste sentido, recomendo 3 métodos para crescer nas redes sociais:

       

      1- Criar conteúdos de excelente qualidade (dentro e fora das redes sociais)

      Estou a falar de conteúdos dentro e fora das redes sociais, quer sejam as fotografias e as captions do Instagram, os vídeos no Youtube, os podcasts ou até os freebies que criamos para serem lead magnets da nossa newsletter.

      Todos estes conteúdos terão um impacto direto na interação que vamos gerar nas redes sociais, porque com conteúdos de qualidade as pessoas vão ter interesse nos temas que estamos a tratar. Numa perspetiva de angariação de clientes, isto também vai ter impacto, porque com conteúdo de qualidade as pessoas vão confiar em nós para fazermos um trabalho de qualidade quando nos contratarem.

      A criação de conteúdo de qualidade vai ter ainda um efeito secundário que é o aumento do número de seguidores, porque as pessoas vão partilhar esses conteúdos de qualidade e é com essas partilhas que vamos conseguir chegar a cada vez mais pessoas.

      As redes sociais vivem de conteúdos, por isso são eles que nos podem ajudar a chegar mais longe.

       

      2- Criar relações (dentro e fora das redes sociais)

      Mais uma vez, este método também deve ser aplicado dentro e fora das redes sociais. Devemos falar com as pessoas, sejam os nossos seguidores ou pessoas que seguimos e com cujo conteúdo nos identificamos e apreciamos, utilizando quer os comentários, quer as mensagens diretas. Quando, por exemplo, vemos que alguém está a fazer um bom trabalho numa rede social, devemos dizer-lhe isso mesmo. Isto vai promover a interação, porque demonstramos interesse pelo seu trabalho e reconhecemos o seu esforço e dedicação.

      Fora das redes sociais, também. Conversarmos com pessoas, conversarmos sobre o nosso trabalho, sobre as nossas redes sociais vai aproximar-nos dos outros enquanto damos a conhecer aquilo que fazemos. As redes sociais são um espaço para se fomentarem relações, por isso, quando promovemos essas relações fora das redes sociais, estamos também a promovê-las dentro, porque acabamos por nos encontrar também aí.

       

      3- Fazer um excelente trabalho

      O boca-a-boca continua a funcionar muito bem. Hoje em dia, o boca-a-boca já não se resume a um amigo que recomenda o nosso trabalho a outro amigo. Hoje, esta recomendação pode chegar precisamente dentro de uma rede social. A partilha do trabalho que desenvolvemos pode partir de uma pessoa que trabalha connosco e que reconhece a qualidade do nosso trabalho ou pode vir de alguém que, simplesmente, partilha os nossos conteúdos.

      A chave do crescimento nas redes sociais e no nosso negócio está em sermos tão bons que é impossível as pessoas ignorarem-nos, tal como é referido por Cal Newport no seu livro So Good They Can’t Ignore You: Why Skills Trump Passion in the Quest for Work You Love.

       

      Esta é a minha perspetiva do que significa crescer nas redes sociais: tudo se resume a conteúdo, relações e trabalho de qualidade. Vou gostar de saber se concordam comigo e, sobretudo, qual é o primeiro passo que vão dão dar para colocarem e prática uma destas minhas recomendações.

       

      Como crescer nas redes sociais. Não, este artigo não dá mais 10 truques para enganar algoritmos e ganhar seguidores. Mas dá 3 passos para crescer de forma orgânica.

    • 6 Mudanças de Mindset para o Sucesso do Negócio

      Mindset

       

      Os nossos pensamentos criam a nossa realidade e neste artigo quero partilhar contigo 6 mudanças de mindset que podem alterar a realidade do teu negócio. Muda os teus pensamentos para mudares a tua realidade.

       

      Também podes ver os vídeos:

      Parte 1:

       

      Parte 2:

       

      1 – De Mindset Fixo para Mindset de Crescimento

      Esta mudança de mindset é importante em todas as áreas da vida, mas é mesmo importante nos negócios. Consiste em acreditar que podemos sempre aprender qualquer coisa e melhorar qualquer aspeto do nosso negócio. Se não acreditarmos nisto, haverá uma série de coisas importantes para o nosso negócio que nem sequer vamos tentar fazer.

       

      Na prática:

      – Se ainda não estamos onde queremos estar, não podemos desesperar, mas sim continuar a trabalhar, a estudar, a aprender, e a melhorar até chegarmos lá.

      – Sempre que recebemos feedback ou críticas, devemos tentar extrair formas de melhorarmos. Qualquer feedback pode conter ensinamentos, mesmo quando não é dado da forma mais construtiva. Por vezes pode magoar, mas mesmo quando não é construtivo, é possível analisar esse feedback e tentar identificar pontos de melhoria. Se não nos agradar a forma como o feedback foi dado, basta ignorar, mas apenas depois de retirarmos todo o valor que conseguirmos.

      – Devemos ainda prestar atenção a tudo aquilo que nos dizem. Por vezes o feedback vem lá escondido no meio da conversa e se não estivermos atentos podemos deixar passar, principalmente se for algo que não é muito confortável de enfrentar. Por isso é importante ler e ouvir com atenção tudo aquilo que nos dizem, que dizem sobre nós e sobre a nossa marca.

       

      2 – De Mindset Amador para Mindset de Pró

      Os amadores ficam à espera que aconteça, os prós vão e fazem acontecer. E sim, para poder entrar em ação alinhada é preciso ter clareza em relação a quem somos, em relação àquilo que queremos fazer, em relação à nossa marca, em relação ao que queremos para a nossa vida. Mas os amadores ficam à espera que essa clareza caia do céu, enquanto que os prós vão atrás dela e trabalham para a conseguirem.
      Os amadores pensam que só podem começar a fazer depois de se tornarem prós, os prós sabem que só começando a fazer é que irão progredir e tornar-se verdadeiros especialistas.

      Segundo Steven Pressfield, autor do livro Turning Pro:

      “A diferença entre um amador e um profissional está nos seus hábitos. Um amador tem hábitos de amador. Um profissional tem hábitos de profissional. Nunca podemos libertar-nos dos hábitos, mas podemos substituir hábitos maus por hábitos bons.

      Se queres ser, sentir-te e ser visto como um profissional, tens de comportar-te como um profissional. E criar os hábitos que levam a isso.
      Há também uma citação famosa do escritor Somerset Maughham, quando lhe perguntaram, numa entrevista, se ele apenas escrevia quando surgia a inspiração ou se seguia um horário pré-determinado. A resposta dele foi qualquer coisa como: “Eu só escrevo quando a inspiração chega. Felizmente, ela chega todos os dias às 9h da manhã.”

       

      Na prática:

      – Compromete-te com um horário – mesmo que tenhas começado o teu negócio para teres liberdade de horários, ter um horário mais ou menos fixo é muito importante. Esse horário pode mudar, pode ser diferente no verão e no inverno, quando estás em casa ou a viajar, mas tenta ter um horário de trabalho e, mais importante, cumprir esse horário.

      – Começa a ver-te como pró – mesmo que sintas um pouco de síndrome do impostor, percebe que para ajudares outra pessoa basta estares um passo à sua frente, por isso haverá sempre alguém para quem tu és um pró, mesmo que haja outros tantos prós que já vão à tua frente.

       

      3 – De Mindset de Medo para Mindset de Sucesso

      É tão normal termos medos, principalmente quando estamos a começar algo novo. “Ninguém vai querer trabalhar comigo, ninguém quer saber do que eu faço ou digo, ninguém vai ler ou ver isto…”

      Estes medos vivem apenas dentro da nossa cabeça: não são reais, não existem mesmo. Focarmo-nos nestes medos só traz energias negativas, impede-nos de trabalhar ou de fazermos trabalho de qualidade, e transparece na nossa comunicação. Por isso temos de começar a focar a nossa atenção noutras coisas, principalmente no sucesso, que está ao virar da esquina.

       

      Na prática:

      – Dizer os nossos medos em voz alta ajuda imenso, torna-os tão ridículos que perdem logo a sua força.

      – Criar um vision board da nossa versão de sucesso no futuro. Não precisa de ser um sucesso muito distante nem precisamos de saber todos os pormenores de como será esse sucesso na realidade, mas devemos incluir aqueles aspetos que para nós são imprescindíveis.

      – Reune apoio – um ou mais amigos com quem possas conversar quando precisas de desabafar sobre estes medos. Procura que seja alguém que te puxe para cima e te ajude a mover o foco do medo para o sucesso.

      – Pratica gratidão – um diário de gratidão é uma boa opção. Se o medo consiste em energia negativa, a gratidão consiste em energia positiva e ajuda a contra-balançar.

       

      4 – De Mindset de Escassez para Mindset de Abundância

      Pára de pensar no “e se…”

      E se não for suficiente? E se ninguém me pagar? E se já estou a entrar no mercado muito tarde? E se deixar de ter dinheiro para pagar as contas?

      Começa a pensar que tudo vai correr bem, que há mais do que o suficiente neste mundo para todos – dinheiro suficiente, espaço suficiente, clientes suficientes, trabalho suficiente. Aquilo em que colocas o teu foco é aquilo que expande. Se colocares o teu foco na escassez, a escassez vai aumentar. Se, por outro lado, colocares o teu foco na abundância, a abundância vai aumentar.

       

      Na prática:

      – Procura colaborações em vez de procurares competir: Se olhares para todos os que trabalham no teu meio como uma ameaça à tua própria sobrevivência, estarás num mindset de escassez. Procura colaborar com outras pessoas e demonstrar que cada um pode ter o seu espaço, mesmo que façam coisas muito parecidas – e se as marcas forem bem trabalhadas, mesmo que façam exatamente o mesmo, vão atrair conjuntos de pessoas diferentes

      – Oferece valor, pratica generosidade. Conteúdos gratuitos são uma ótima forma de dares valor para depois receberes valor. Mas atenção: não estou a falar de lead magnets insignificantes apenas para que as pessoas subscrevam a tua newsletter. Estou a falar de conteúdos que realmente entregam valor. O meu curso gratuito de Brand Strategy é um exemplo disso: tenho recebido feedback incrível da parte de pessoas que fizeram o curso, incluindo pessoas que já estavam familiarizadas com todos os conceitos mas mesmo assim agradeceram que as recordasse de algumas coisas. E atenção: mesmo que ofereças imenso valor, as pessoas vão continuar a querer trabalhar contigo e pagar-te pelo teu trabalho. Não te esqueças: what goes around, comes around.

       

      5 – De “Sim” a tudo para “Não” sempre que necessário

      Eu sei que no início a tentação é grande para dizer que sim a tudo: a todas as oportunidades que impliquem qualquer nível de exposição, a todas as pessoas que querem ser nossos clientes, a tudo aquilo que os nossos clientes pedem. Mas tudo isto contribuirá de forma negativa para a tua marca: vais estar a dispersar demasiado a tua atenção e a retirar o foco daquilo que realmente importa. É provável que a qualidade do teu trabalho diminua e, consequentemente, a satisfação dos teus clientes também diminuirá.

       

      Na prática:

      – Oportunidades só devem ser aceites se estiverem alinhadas com aquilo que a tua marca defende e representa. Depois de trabalhada a marca, é fácil identificar a que oportunidades dizer sim ou não.

      – Nem todos os clientes são um bom fit para trabalharem connosco e está tudo bem. Dizer não aos que não encaixarem totalmente é perfeitamente válido. E se achas que tens de dizer que sim a todos os clientes porque não podes recusar dinheiro, é porque ainda estás com um mindset de escassez – muda para um mindset de abundância: de onde chegou aquele cliente, hão de chegar muitos mais.

      – Também não temos de aceder a tudo o que os nossos clientes pedem: se não fizer parte das tarefas acordadas, se não estiver dentro daquilo com que te comprometeste a fazer, e se vai prejudicar alguma parte da tua vida, podes dizer que não (também podes dizer que sim se para ti fizer sentido e não representar um transtorno, só não te deves sentir obrigado a isso).

       

      6 – De foco no problema para foco na solução

      Este mindset consiste em perceber que tudo tem uma solução e que num mundo com Google, Youtube, livros digitais que podemos comprar e descarregar em menos de um minuto, e de especialistas ou freelancers em qualquer área, então é possível encontrar a solução para qualquer problema.

       

      Na prática:

      – Primeiro, assume a responsabilidade pelo problema. Se ele aconteceu é porque algo não correu bem e está nas tuas mãos corrigir.

      – Segundo, percebe que não existe falha, apenas aprendizagem. Se aconteceu um problema, assume a responsabilidade e não o vejas como uma falha tua, mas sim como a oportunidade para aprender algo.

      – Depois, procura pela solução. E não é obrigatório que façamos tudo no nosso negócio, por isso se achas que sozinho não vais conseguir chegar à solução, ou que vais chegar lá mas com muito trabalho e tempo investido, então procura a ajuda de alguém, de um especialista na temática, de alguém que possas acrescentar à tua equipa (mesmo que não seja a tempo inteiro mas recorrendo a trabalho de freelancers).

       

      Muda o teu mindset para mudares a tua realidade e potenciares o sucesso do teu negócio. 6 mudanças de mindset e passos práticos para começares a mudar!

      Muda o teu mindset para mudares a tua realidade e potenciares o sucesso do teu negócio. 6 mudanças de mindset e passos práticos para começares a mudar!