Filipa Maia

Instagram Feed

    Planeamento & Organização

    • Instabilidade de rendimentos? Estratégias para quem trabalha por conta própria

      instabilidade de rendimentos

      A instabilidade de rendimentos é uma realidade para quem trabalha por conta própria. Se, em alguns meses, pode haver um grande fluxo de dinheiro a entrar, é muito provável que, noutros, não haja quase nenhum. Quando, por exemplo, resolvemos tirar um período de férias é muito comum que os rendimentos nesse mês sejam zero, ou quase.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      E como é que podemos, então, lidar melhor com isto?

      Antes de mais, a primeira coisa que deves fazer é aceitares a realidade.

      É mesmo assim, quem trabalha por conta própria vive com a instabilidade de rendimentos e é suposto ser assim. Por isso, o teu objetivo não deverá ser mudar esta realidade ou encontrar uma estratégia para que a entrada de dinheiro seja igual todos os meses.

      Aliás, se a estabilidade de rendimentos é algo muito importante para ti, ter um emprego por conta de outrem será provavelmente a melhor opção ao teu dispor. Se, no entanto, queres realmente empreender, tens de aceitar a instabilidade de rendimentos e o facto de teres meses muito bons e outros quase sem rendimento.

      Mas, em termos práticos, o que podes, então, fazer para aprenderes a viver esta instabilidade de rendimentos com tranquilidade?

      1. Criar um fundo de liberdade

      A maior parte das pessoas refere-se a este fundo como “fundo de emergência”, mas eu prefiro não usar este termo, porque não quero associar este valor a uma situação de necessidade extrema.

      Prefiro ver este fundo como algo que me dê paz de espírito, algo que eu possa ter guardado para saber que, se surgir um mês em que não registo entrada de dinheiro – sobretudo se for por razões que não previ -, posso estar descansada, porque tenho ali aquele dinheiro, aquele fundo de liberdade. Isto significa que, nesse mês, vou continuar a ter liberdade de maneio, apesar de a entrada de dinheiro ser nula, ou quase.

      O valor deste fundo de liberdade dependerá sempre de ti e daquilo com que te sentires confortável. Há pessoas que gostam de ter um fundo de liberdade com um valor correspondente a 6 meses de trabalho, outras a um ano. E outras, menos do que isso. O montante terá de ser decidido por ti. O importante é que tenhas de parte um valor que te traga essa segurança.

       

      2. Paga a ti próprio um salário

      Fazeres isto vai ajudar-te a gerir melhor o fluxo de dinheiro.

      Por exemplo, num mês em que lances um novo programa de grupo ou um curso online é natural que haja uma maior entrada de dinheiro. Ora, sabendo que isto não irá voltar a acontecer no mês seguinte, não podes considerar todo o valor que recebeste com esse lançamento como o teu salário desse mês. O valor que entrou no teu negócio com esse lançamento deve, então, ser usado para pagar o teu salário nesse mês e nos meses seguintes. Usares esta estratégia vai ajudar-te a ter uma perceção de que o valor que entra em determinado mês não deve ser o dinheiro que vais efetivamente gastar nesse mês. O dinheiro que entra no teu negócio deve ser bem distribuído.

       

      3. Planear a médio prazo

      Esta estratégia vai permitir-te gerir melhor as saídas de dinheiro.

      Vamos supor que abres agora um programa de grupo que demora 3 ou 4 meses. Então, já sabes que só daqui a, pelo menos, 3 ou 4 meses é que abrirás um novo programa. Por isso, se tiveres o teu planeamento bem estruturado a médio prazo – 6 meses, pelo menos – sabes que o valor que entrar agora com este programa de grupo não vai voltar a entrar nessa proporção nos próximos 3 ou 4 meses. Ao fazeres este planeamento poderás gerir melhor as saídas de dinheiro, porque sabes quando é que podes esperar um maior fluxo de dinheiro novamente.

       

      4. Reinveste no teu próprio negócio

      Numa fase inicial do teu negócio, o investimento que te vai trazer um maior retorno é o investimento no teu negócio. Se estás a começar, significa que o teu negócio tem um potencial de crescimento gigante. Por isso, nada te vai dar maior retorno do que (re)investires no teu próprio negócio.

      Faz também esse planeamento e prevê que percentagem do teu lucro é que vais reinvestir. Seja em ferramentas, colaboradores ou formação e treinos adicionais, novos programas, novos cursos ou coaching. Este (re)investimento vai-te trazer frutos e permitir, consequentemente, aumentar a escala do teu negócio.

       

      Estas são as sugestões que tenho para ti sobre como lidar melhor com a instabilidade de rendimentos. Espero que te sejam úteis.

      Agora, gostava de saber se lidar com a instabilidade de rendimentos no teu negócio tem sido uma dificuldade para ti. De todas estas sugestões que apresentei, qual é a que faz mais sentido para ti? E já sabes qual vais implementar?

       

      Lidar com a instabilidade de rendimentos pode ser uma dificuldade para quem trabalha por conta própria. Aplica estas dicas para se tornar mais fácil.

    • Começar sem teres um plano

      começar sem um plano

       

      A maior parte das pessoas acredita que tem de ter um plano claramente definido, com uma sequência de passos a dar no seu negócio ou projeto para, efetivamente, começar.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      O que acontece quando te convences de que precisas deste plano é que podes ficar muito tempo parado sem que nada aconteça realmente.

      O tempo é um recurso limitado e, quando começares, vais perceber que, se tivesses começado mais cedo, terias tido acesso a muita informação relevante que só descobres naquele momento, depois de já teres começado.

      A maior parte das pessoas acha que é este plano que lhes dá segurança para começar. O problema é que, quando estás a criar um negócio, estás a criar algo que não existe, estás a começar algo novo, do zero. Isto significa que é impossível teres um plano. Não há ninguém que tenha criado o que tu queres criar se o que queres é um negócio à tua medida.

      Não há regras que possas seguir, és tu que, pelo caminho, vais descobrir como o podes fazer.

       

      Qual é a alternativa?

      Começar, mesmo sem ter a certeza. Entrar em ação rapidamente. E isto pode ser só dar um primeiro pequeno passo.

      É muito possível que falhes, sim, mas essas falhas representam aprendizagens das quais podes retirar informação para redefinires o teu caminho e a tua estratégia e, assim, avançares no teu negócio ou projeto.

      É natural que, quando começares a agir mesmo sem teres a certeza daquilo que estás a fazer, os resultados não sejam excecionais à primeira tentativa. É muito possível que fiques aquém das tuas expectativas, mas esta suposta falha é aquilo que te vai permitir recolher informação que vai ser determinante para tomares decisões acerca dos passos seguintes.

      Há 3 tipos de informação que podes recolher dos teus passos iniciais:

      Resultados

      Para obteres resposta a questões como: O que fiz resultou? Houve adesão? Qual a opinião das pessoas? Alguém comprou o meu produto/serviço?

      Se alguém comprou, tens a validação da tua ideia, porque se demonstra que há interesse do mercado naquilo que tens para oferecer. Se ninguém comprou, também podes tirar algumas conclusões importantes.

       

      Feedback

      Vais conseguir perceber o que é que as pessoas têm a dizer sobre o que estás a oferecer. Caso não tenhas conseguido vender o teu produto/serviço, podes mesmo perguntar às pessoas as razões que as levaram a não comprar ou o que seria necessário acontecer para que o fizessem. Esta informação é valiosíssima para decidires os passos seguintes dentro do teu projeto.

       

      Sentimento

      A forma como nos sentimos quando estamos a trabalhar para os nossos clientes é também muito importante para a criação de um negócio à nossa medida.

      Imagina que lançaste um serviço e que houve uma pessoa a comprar. Quais foram as tuas emoções, o teu estado de espírito, enquanto prestavas esse serviço? Sentiste-te bem, em estado de flow, ou sentiste-te em contração, com algum tipo de resistência? A informação que recolheres daqui também é preciosa e podes utilizá-la para decidires o que vais fazer a seguir.

       

      Concluindo, a minha sugestão é que dês rapidamente o teu primeiro passo e que recolhas, depois, informação que vai ser fundamental para o desenvolvimento do teu negócio.

      Já sabes qual é o primeiro passo que podes dar para começares rapidamente a executar o teu projeto ou negócio, mesmo sem teres ainda bem a certeza daquilo que estás a fazer? Partilha-o comigo.

       

      Não precisas de ter um plano totalmente definido para começares um negócio ou projeto. Não percas tempo e descobre porque é que é importante começares já.

    • Disciplina para trabalhar a partir de casa

      disciplina para trabalhar

       

      O tema da disciplina que é necessária para se trabalhar por conta própria surge muitas vezes em conversas que tenho, sobretudo, com pessoas que ainda trabalham por conta de outrem, mas que têm vontade de começar a desenvolver o seu próprio negócio. Estas pessoas perguntam-se se, trabalhando a partir de casa, terão disciplina suficiente para desenvolver o seu projeto sem terem outras pessoas, como um chefe, por exemplo, a quem prestar contas e a dizer-lhes o que é necessário fazer.

      Esta é uma questão válida, principalmente para pessoas que nunca trabalharam em casa, mas há, quanto a mim, alguns aspetos importantes a considerar.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      1. Paixão

      Acredito que, quando somos apaixonados pelo trabalho que estamos a fazer, a questão da disciplina quase não se coloca. Quanto mais apaixonados estamos por aquilo que fazemos, quanto mais alinhado o nosso trabalho está connosco, com os nossos valores e com o impacto que nós queremos provocar no mundo, menos necessária é a disciplina.

       

      2. Estrutura e visão para o futuro

      Muitas vezes, a paixão existe, mas não há uma estrutura para o que estamos a fazer, não existe uma organização lógica, não há processos nem planeamento. Ou, então, mais importante ainda, não existe uma visão para o futuro. E isto é muito importante numa fase inicial do negócio.

      Portanto, é essencial ter uma estrutura para aquilo que estamos a fazer, seja na forma como organizamos o nosso tempo, seja na forma como os nossos serviços estão organizados ou, até, na forma como criamos os nossos conteúdos.

      A visão para o futuro é uma fonte enorme de motivação, pois sabemos para onde nos estamos a dirigir. Quanto mais clara é a nossa visão para o futuro mais motivados nos vamos sentir, porque temos um destino onde queremos chegar. É por isto que a visualização, como ferramenta de motivação e para manifestar a realidade que queremos à nossa volta, é tão utilizada.

      Ainda assim, em qualquer negócio, vai haver sempre tarefas com as quais não vamos estar tão alinhados e que gostamos menos de fazer. Um negócio envolve inúmeras tarefas e, mesmo que criemos o nosso negócio a partir da nossa zona de génio, algumas dessas tarefas não fazem parte dessa zona. Por isso, a estrutura é tão importante, quer para realizarmos estas tarefas com sucesso enquanto temos de ser nós a fazê-las, mas também porque nos ajudará a delegá-las logo que possível.

      Como criadores do nosso negócio, idealmente, devemos passar cerca de 80 a 90% do nosso tempo na(s) nossa(s) zona(s) de génio.

      Ter um plano neste âmbito é, portanto, fundamental. Por um lado, para identificarmos quais as primeiras tarefas que queremos começar a delegar (faturação, secretariado, edição de áudio/vídeo, gestão de conteúdos e de redes sociais…) e, por outro, para definirmos o rendimento que precisamos de estar a gerar para poder contratar outras pessoas, bem como uma estratégia para conseguirmos reunir essa condição financeira.

      Resumindo, há 2 aspetos que temos de avaliar: primeiro, perceber se o negócio que estamos a criar é mesmo a nossa paixão; depois, se sim, perceber, então, o que nos está a bloquear e nos impede de avançar e trabalhar nisso.

      Deixo-te, por fim, algumas dicas que te podem ajudar a trabalhar a partir de casa de forma mais eficiente:

      • Cria um espaço exclusivamente dedicado ao teu trabalho
      • Sai de casa para trabalhar fora, de vez em quando
      • Faz intervalos regulares
      • Percebe o que funciona para ti
      • Foca-te nos teus objetivos e na tua visão para o futuro do teu negócio

       

      Já trabalhas a partir de casa? Partilha comigo as estratégias que usas para te manteres produtiva.

      Ter disciplina para trabalhar a partir de casa requer organização e a paixão pelo que fazes vai alimentar isso e tudo o resto!