Filipa Maia

Instagram Feed

    Outubro 2018

    Monthly Archives

    • O que é o Brand Coaching – E 3 objetivos essenciais de uma marca

      Brand Coaching

      Muitas pessoas chegam até mim com dúvidas sobre o que é isto do Brand Coaching, e isso é perfeitamente normal já que não é um conceito muito conhecido. Por isso decidi explicar-te neste artigo.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      Mas primeiro, deixa-me começar por explicar quais são, a meu ver, os 3 objetivos principais de qualquer marca.

       

      Objetivo #1 – Suporte ao teu estilo de vida ideal

      Quando o teu negócio e a tua marca estiverem estabelecidos, terás o tempo que queres para fazeres as coisas de que gostas? Vai ser possível gerar um retorno suficiente para viveres como e onde queres? Terás a liberdade de gerires a tua vida como queres, tanto em termos de horários como de localização? Terás o tempo de que precisas para estares com a tua família? Para cuidares de ti?

      Cumprir estes requisitos pode ter várias implicações para a tua marca e para o teu negócio. Pode, por exemplo, significar que não vais estar presente em todas as redes sociais nem vais criar um vídeo por dia para o Youtube se isso te tirar tempo de que precisas para fazer outras coisas, e está tudo bem. Deve ser sempre a estratégia de conteúdos e de comunicação a adaptar-se à tua vida, e não o inverso.

       

      Objetivo #2 – Traduzir a pessoa que és e aquilo em que acreditas

      Quando falamos de marcas pessoais, se não puderes apresentar-te como o teu “eu” autêntico, estarás sempre em esforço. Por isso, é extremamente importante que a tua marca traduza a pessoa que realmente és, assim como os teus valores.

      Uma das definições mais famosas daquilo que é uma marca é da Karley Cunningham, da Big Bold Brand que diz que uma marca é aquilo que as pessoas dizem de ti quando não estás presente. O que queres que as pessoas digam de ti depois de se depararem com a tua marca?

      Para se conseguir fazer isto é necessário que tenhas um profundo auto-conhecimento. Como poderás criar uma marca fiel a ti se não souberes quem és?

       

      Objetivo #3 – Servir o mundo

      É importante que o teu negócio sirva o mundo por dois motivos:

      • por motivos altruistas – ajudar os outros é uma das maiores fontes de realização pessoal e profissional, pelo que é necessário saberes que estás a contribuir para um mundo melhor. Se não tiveres o teu “porquê” bem presente, será difícil motivares-te a saíres da cama todas as manhãs para fazeres o teu trabalho

       

      • por motivos egoistas – se não estiveres a ajudar as pessoas, de alguma forma, não terás como subsistir. Precisas de apresentar um serviço de grande qualidade para que as pessoas estejam dispostas a pagar-te. Queiramos ou não, o dinheiro é necessário. Não pelo dinheiro em si, mas por aquilo que traz: suporte ao teu estilo de vida ideal (mais uma vez), equilíbrio e paz de espírito. Se não tiveres isto, não conseguirás fazer um trabalho de qualidade e todos ficarão a perder – tu, mas também os teus clientes.

       

       

      Por isso mesmo, é com base nestes objetivos que se processa um projeto de Brand Coaching. Para além da marca e da estratégia de conteúdos, olhamos para alguns aspetos visuais, para os serviços que serão prestados e para alguns elementos concretos de marketing.

       

      Para além disto, o processo de Brand Coaching tem outros benefícios:

      – aumento da confiança – em ti e na tua marca;

      – algumas mudanças de mindset em relação aos negócios e à criação de conteúdos

      – logicamente, ajuda a trazer clareza

      – é fonte de motivação

       

      Por isso, se acreditas que um processo de Brand Coaching pode ajudar-te, não hesites em entrar em contacto comigo e conversamos para ver se faz sentido trabalharmos juntas. E se ainda assim continuas com dúvidas em relação a este tipo de trabalho, podes enviar as tuas perguntas, por email ou aqui mesmo nos comentários deste artigo.

       

      Fica a perceber melhor o que é isto do Brand Coaching e descobre quais os 3 objetivos mais importantes de qualquer marca.

      Fica a perceber melhor o que é isto do Brand Coaching e descobre quais os 3 objetivos mais importantes de qualquer marca.

    • 6 Mudanças de Mindset para o Sucesso do Negócio

      Mindset

       

      Os nossos pensamentos criam a nossa realidade e neste artigo quero partilhar contigo 6 mudanças de mindset que podem alterar a realidade do teu negócio. Muda os teus pensamentos para mudares a tua realidade.

       

      Também podes ver os vídeos:

      Parte 1:

       

      Parte 2:

       

      1 – De Mindset Fixo para Mindset de Crescimento

      Esta mudança de mindset é importante em todas as áreas da vida, mas é mesmo importante nos negócios. Consiste em acreditar que podemos sempre aprender qualquer coisa e melhorar qualquer aspeto do nosso negócio. Se não acreditarmos nisto, haverá uma série de coisas importantes para o nosso negócio que nem sequer vamos tentar fazer.

       

      Na prática:

      – Se ainda não estamos onde queremos estar, não podemos desesperar, mas sim continuar a trabalhar, a estudar, a aprender, e a melhorar até chegarmos lá.

      – Sempre que recebemos feedback ou críticas, devemos tentar extrair formas de melhorarmos. Qualquer feedback pode conter ensinamentos, mesmo quando não é dado da forma mais construtiva. Por vezes pode magoar, mas mesmo quando não é construtivo, é possível analisar esse feedback e tentar identificar pontos de melhoria. Se não nos agradar a forma como o feedback foi dado, basta ignorar, mas apenas depois de retirarmos todo o valor que conseguirmos.

      – Devemos ainda prestar atenção a tudo aquilo que nos dizem. Por vezes o feedback vem lá escondido no meio da conversa e se não estivermos atentos podemos deixar passar, principalmente se for algo que não é muito confortável de enfrentar. Por isso é importante ler e ouvir com atenção tudo aquilo que nos dizem, que dizem sobre nós e sobre a nossa marca.

       

      2 – De Mindset Amador para Mindset de Pró

      Os amadores ficam à espera que aconteça, os prós vão e fazem acontecer. E sim, para poder entrar em ação alinhada é preciso ter clareza em relação a quem somos, em relação àquilo que queremos fazer, em relação à nossa marca, em relação ao que queremos para a nossa vida. Mas os amadores ficam à espera que essa clareza caia do céu, enquanto que os prós vão atrás dela e trabalham para a conseguirem.
      Os amadores pensam que só podem começar a fazer depois de se tornarem prós, os prós sabem que só começando a fazer é que irão progredir e tornar-se verdadeiros especialistas.

      Segundo Steven Pressfield, autor do livro Turning Pro:

      “A diferença entre um amador e um profissional está nos seus hábitos. Um amador tem hábitos de amador. Um profissional tem hábitos de profissional. Nunca podemos libertar-nos dos hábitos, mas podemos substituir hábitos maus por hábitos bons.

      Se queres ser, sentir-te e ser visto como um profissional, tens de comportar-te como um profissional. E criar os hábitos que levam a isso.
      Há também uma citação famosa do escritor Somerset Maughham, quando lhe perguntaram, numa entrevista, se ele apenas escrevia quando surgia a inspiração ou se seguia um horário pré-determinado. A resposta dele foi qualquer coisa como: “Eu só escrevo quando a inspiração chega. Felizmente, ela chega todos os dias às 9h da manhã.”

       

      Na prática:

      – Compromete-te com um horário – mesmo que tenhas começado o teu negócio para teres liberdade de horários, ter um horário mais ou menos fixo é muito importante. Esse horário pode mudar, pode ser diferente no verão e no inverno, quando estás em casa ou a viajar, mas tenta ter um horário de trabalho e, mais importante, cumprir esse horário.

      – Começa a ver-te como pró – mesmo que sintas um pouco de síndrome do impostor, percebe que para ajudares outra pessoa basta estares um passo à sua frente, por isso haverá sempre alguém para quem tu és um pró, mesmo que haja outros tantos prós que já vão à tua frente.

       

      3 – De Mindset de Medo para Mindset de Sucesso

      É tão normal termos medos, principalmente quando estamos a começar algo novo. “Ninguém vai querer trabalhar comigo, ninguém quer saber do que eu faço ou digo, ninguém vai ler ou ver isto…”

      Estes medos vivem apenas dentro da nossa cabeça: não são reais, não existem mesmo. Focarmo-nos nestes medos só traz energias negativas, impede-nos de trabalhar ou de fazermos trabalho de qualidade, e transparece na nossa comunicação. Por isso temos de começar a focar a nossa atenção noutras coisas, principalmente no sucesso, que está ao virar da esquina.

       

      Na prática:

      – Dizer os nossos medos em voz alta ajuda imenso, torna-os tão ridículos que perdem logo a sua força.

      – Criar um vision board da nossa versão de sucesso no futuro. Não precisa de ser um sucesso muito distante nem precisamos de saber todos os pormenores de como será esse sucesso na realidade, mas devemos incluir aqueles aspetos que para nós são imprescindíveis.

      – Reune apoio – um ou mais amigos com quem possas conversar quando precisas de desabafar sobre estes medos. Procura que seja alguém que te puxe para cima e te ajude a mover o foco do medo para o sucesso.

      – Pratica gratidão – um diário de gratidão é uma boa opção. Se o medo consiste em energia negativa, a gratidão consiste em energia positiva e ajuda a contra-balançar.

       

      4 – De Mindset de Escassez para Mindset de Abundância

      Pára de pensar no “e se…”

      E se não for suficiente? E se ninguém me pagar? E se já estou a entrar no mercado muito tarde? E se deixar de ter dinheiro para pagar as contas?

      Começa a pensar que tudo vai correr bem, que há mais do que o suficiente neste mundo para todos – dinheiro suficiente, espaço suficiente, clientes suficientes, trabalho suficiente. Aquilo em que colocas o teu foco é aquilo que expande. Se colocares o teu foco na escassez, a escassez vai aumentar. Se, por outro lado, colocares o teu foco na abundância, a abundância vai aumentar.

       

      Na prática:

      – Procura colaborações em vez de procurares competir: Se olhares para todos os que trabalham no teu meio como uma ameaça à tua própria sobrevivência, estarás num mindset de escassez. Procura colaborar com outras pessoas e demonstrar que cada um pode ter o seu espaço, mesmo que façam coisas muito parecidas – e se as marcas forem bem trabalhadas, mesmo que façam exatamente o mesmo, vão atrair conjuntos de pessoas diferentes

      – Oferece valor, pratica generosidade. Conteúdos gratuitos são uma ótima forma de dares valor para depois receberes valor. Mas atenção: não estou a falar de lead magnets insignificantes apenas para que as pessoas subscrevam a tua newsletter. Estou a falar de conteúdos que realmente entregam valor. O meu curso gratuito de Brand Strategy é um exemplo disso: tenho recebido feedback incrível da parte de pessoas que fizeram o curso, incluindo pessoas que já estavam familiarizadas com todos os conceitos mas mesmo assim agradeceram que as recordasse de algumas coisas. E atenção: mesmo que ofereças imenso valor, as pessoas vão continuar a querer trabalhar contigo e pagar-te pelo teu trabalho. Não te esqueças: what goes around, comes around.

       

      5 – De “Sim” a tudo para “Não” sempre que necessário

      Eu sei que no início a tentação é grande para dizer que sim a tudo: a todas as oportunidades que impliquem qualquer nível de exposição, a todas as pessoas que querem ser nossos clientes, a tudo aquilo que os nossos clientes pedem. Mas tudo isto contribuirá de forma negativa para a tua marca: vais estar a dispersar demasiado a tua atenção e a retirar o foco daquilo que realmente importa. É provável que a qualidade do teu trabalho diminua e, consequentemente, a satisfação dos teus clientes também diminuirá.

       

      Na prática:

      – Oportunidades só devem ser aceites se estiverem alinhadas com aquilo que a tua marca defende e representa. Depois de trabalhada a marca, é fácil identificar a que oportunidades dizer sim ou não.

      – Nem todos os clientes são um bom fit para trabalharem connosco e está tudo bem. Dizer não aos que não encaixarem totalmente é perfeitamente válido. E se achas que tens de dizer que sim a todos os clientes porque não podes recusar dinheiro, é porque ainda estás com um mindset de escassez – muda para um mindset de abundância: de onde chegou aquele cliente, hão de chegar muitos mais.

      – Também não temos de aceder a tudo o que os nossos clientes pedem: se não fizer parte das tarefas acordadas, se não estiver dentro daquilo com que te comprometeste a fazer, e se vai prejudicar alguma parte da tua vida, podes dizer que não (também podes dizer que sim se para ti fizer sentido e não representar um transtorno, só não te deves sentir obrigado a isso).

       

      6 – De foco no problema para foco na solução

      Este mindset consiste em perceber que tudo tem uma solução e que num mundo com Google, Youtube, livros digitais que podemos comprar e descarregar em menos de um minuto, e de especialistas ou freelancers em qualquer área, então é possível encontrar a solução para qualquer problema.

       

      Na prática:

      – Primeiro, assume a responsabilidade pelo problema. Se ele aconteceu é porque algo não correu bem e está nas tuas mãos corrigir.

      – Segundo, percebe que não existe falha, apenas aprendizagem. Se aconteceu um problema, assume a responsabilidade e não o vejas como uma falha tua, mas sim como a oportunidade para aprender algo.

      – Depois, procura pela solução. E não é obrigatório que façamos tudo no nosso negócio, por isso se achas que sozinho não vais conseguir chegar à solução, ou que vais chegar lá mas com muito trabalho e tempo investido, então procura a ajuda de alguém, de um especialista na temática, de alguém que possas acrescentar à tua equipa (mesmo que não seja a tempo inteiro mas recorrendo a trabalho de freelancers).

       

      Muda o teu mindset para mudares a tua realidade e potenciares o sucesso do teu negócio. 6 mudanças de mindset e passos práticos para começares a mudar!

      Muda o teu mindset para mudares a tua realidade e potenciares o sucesso do teu negócio. 6 mudanças de mindset e passos práticos para começares a mudar!

    • Estratégia de Negócio Digital – Erros mais frequentes

      Estratégia de negócio digital

       

      Tenho verificado, no meu trabalho com várias clientes e também em conversa com outras pessoas que têm os seus próprios negócios, que a maior parte das pessoas se posiciona num de dois extremos em relação à estratégia no digital. E quero falar contigo sobre isto porque, obviamente, nenhum destes extremos é saudável.

       

      Vê também o vídeo:

       

      Um Extremo: Nenhuma Estratégia para o Digital

      Num dos extremos, estão as pessoas que arrancam sem qualquer tipo de estratégia para o digital e sem mesmo se aperceberem do quão importante é trabalharem esta estratégia.

       

      Tipicamente, estas pessoas não estão a recolher emails para uma lista de contactos, criam uma pagina no Facebook mas quase não fazem publicações, criam um site DIY mesmo sem saberem grande coisa sobre o assunto, começam com alguns artigos num blog mas depois param de publicar conteúdos com frequência.

       

      Algumas coisas que estas pessoas precisam de saber:

      • Ter uma estratégia é importante e um negócio precisa de investimento antes de poder dar lucro – esse investimento tanto pode ser de dinheiro como de tempo. Por isso, se tiveres disponibilidade financeira investe em profissionais que te possam ajudar, se não tiveres essa disponibilidade financeira terás de investir o teu tempo a criar conteúdos, para construíres uma audiência e conquistar a confiança dessas pessoas. Só depois as pessoas estarão dispostas a comprar.

       

      • Tem noção que se optares por este investimento de tempo, terás de aprender como tudo isto se faz: criar um site minimamente profissional, fazer anúncios pagos, fazer webinars, fazer e editar vídeos, fazer lives, gerir redes sociais e uma lista de emails, entre várias outras coisas.

       

      • Sim, há alguns negócios que podem funcionar sem uma estratégia online, mas são raros.

       

      • Sim, é possível conseguir os primeiros clientes sem ter uma estratégia online, apenas através das pessoas que conhecemos pessoalmente. Aliás, mesmo que tenhas uma estratégia online desde o início, a probabilidade de os teus primeiros clientes serem conhecidos ou pessoas que chegam até ti através de passa-a-palavra é muito elevada, mas para manter o negócio sustentável a longo prazo, eventualmente precisas de começar a capturar pessoas novas

       

      O Outro Extremo: A Estratégia Perfeita

      No outro extremo encontram-se as pessoas que dão tanta importância à sua estratégia que acabam por paralisar e adiar o arranque do seu negócio.

       

      Estas pessoas sentem que que nunca estão prontas, que precisam do site perfeito, de mais aquele logo, mais aquele lead magnet, 10 artigos para o blog, de saber exatamente tudo o que têm de fazer em todas as frentes. Depois acaba por demorar imenso tempo para lançar alguma coisa, não porque não estejam a trabalhar mas porque estão a fazer apenas trabalho de bastidores.

       

      Algumas coisas que estas pessoas precisam de saber:

      • Não precisa de estar tudo perfeito para lançares o teu negócio! Aliás, o perfeito não existe.

       

      • Todas as partes do teu negócio online, desde site até redes sociais, estratégia, conteúdos, estarão em constante transformação e evolução à medida que o teu negócio também vai mudando, por isso é praticamente impossível ter tudo terminado. Este é um tipo de trabalho que nunca está terminado!

       

      • Desde que tenhas um serviço e saibas bem quem é que estás a servir, podes começar. Podes começar a criar conteúdos e comunicar a tua marca, tudo o resto pode ser melhorado com o tempo

       

      • Pode ser aconselhável avaliar até que ponto não estás a usar este aspeto como desculpa para não arrancares, para não te expores, para continuares no conforto do “ainda não comecei, por isso ainda não falhei”. Muitas vezes este tipo de atitude vem do medo de falhar. Sabemos que enquanto não lançares o teu negócio é impossível falhares, mas depois de lançares já não há garantias. Vamos deixar de ver as supostas falhas como falhas. Se lançares o teu negócio e correr bem, ótimo, se correr mal podes retirar aprendizagens e fazer uma nova experiência.

       

      Se sentes que te encontras em algum destes extremos, partilha comigo nos comentários qual tem sido a tua maior dificuldade nisto da estratégia para o digital. Adorava saber e poder ajudar!

       

      Vejo muitas pessoas a posicionarem-se num destes extremos no que toca à estratégia de negócio para o digital. No meio é que está o equilíbrio.

      Vejo muitas pessoas a posicionarem-se num destes extremos no que toca à estratégia de negócio para o digital. No meio é que está o equilíbrio.