Filipa Maia

Instagram Feed

    Abril 2018

    Monthly Archives

    • Porque não deves pedir aos teus amigos para gostarem da tua página no Facebook

      pedir aos amigos

       

      Vejo isto a acontecer tão frequentemente, e fico triste. Pessoas que começam um negócio, criam uma página no Facebook e toca a convidar todos os amigos para gostarem da página. E eu digo já aqui a verdade: quando me convidam, nem sempre aceito gostar da página, e parecer frio mas é só para o bem deles.

       

      Eu até percebo a tentação: temos uma página novinha em folha, a página tem um like (nós próprios!) e nós queremos que muitas pessoas gostem da nossa página. Queremos aumentar o número de seguidores o mais rapidamente possível, para não estarmos a falar para as moscas e também para o negócio não parecer tão verdinho, e qual a maneira mais fácil de conseguir seguidores rapidamente? Pois, é mesmo pedir aos amigos.

       

      O problema é que isso só te vai trazer problemas e pode ser bem pior do que passar uns tempos com poucos seguidores.

       

      O que acontece depois de os teus amigos gostarem da tua página

      Começas a pensar que a coisa até está a correr bem assim que vês a maior parte dos teus amigos a aceitarem o teu convite e a gostarem da tua página. O número de seguidores a crescer, alguns nem sabiam que estavas a começar um negócio e vêm fazer-te perguntas, dar os parabéns e desejar a maior das sortes.

       

      Nos dias seguintes, continuas a fazer as tuas publicações e é aí que a coisa começa a dar para o torto. Tu podes nem perceber o que se está a passar, mas eu estou aqui para te explicar

       

      A verdade é esta: os teus amigos são muito simpáticos e até gostaram da tua página porque querem apoiar-te e acharam que assim te estavam a ajudar. Então qual é mesmo o problema? O problema é que, quase certamente, a maior parte dos teus amigos não encaixará no teu perfil de cliente ideal. E isso é um problema.

       

      Os teus amigos vão começar por ver algumas das tuas publicações, mas como não representam o teu cliente ideal, os teus conteúdos não vão ser propriamente apelativos para eles. Se calhar até fazem um like em uma ou duas das tuas publicações, mas depois vão começar a desligar porque aquilo não lhes diz nada. Para começar, rapidamente o algoritmo do Facebook vai perceber que eles não estão assim tão interessados na tua página e vai deixar de lhes mostrar os teus conteúdos.

       

      Depois, o Facebook começa por exibir os teus conteúdos apenas a uma fração dos teus seguidores. Se esses seguidores não interagirem, o algoritmo não se esforçará para mostrar os teus conteúdos a mais pessoas, porque assume que esse conteúdo não tem qualidade.

       

      Quando a maior parte dos teus seguidores são os teus amigos simpáticos que nem têm assim tanto interesse pelos teus conteúdos, é normal que eles não interajam com o teu conteúdo. A tua taxa de engagement vai ser muito baixa nos primeiros minutos e o teu alcance não passará muito dali. Além disso, estas consequências propagam-se para as publicações seguintes – precisamente porque o Facebook acaba de perceber que os teus seguidores não estão muito interessados nos teus conteúdos.

       

      Uma coisa é certa: depois da tua página sofrer todos estes efeitos, será muito difícil saíres desta espiral de queda de alcance, por isso espero que tenhas percebido porque não deves pedir a todos os teus amigos para gostarem da tua página.

       

      O que podes fazer em vez disso

      Muito bem, já concordámos que não vais convidar todos os teus amigos a gostarem da tua página. Mas então o que podes fazer em vez disso? É que ter uma página com praticamente zero seguidores não é nada apelativo. Eu sei, é por isso que tenho três sugestões de outras coisas que podes fazer para aumentares o número de seguidores.

       

      1 – Faz uma publicação no teu perfil pessoal

      Em vez de enviares um convite aos teus amigos para gostarem da tua nova página, prepara uma publicação no teu perfil pessoal em que partilhas a tua página, explicas em que consiste o teu negócio e que tipo de assuntos irás abordar nos teus conteúdos e convidas, de forma mais indireta, os teus amigos que tenham interesse nesses mesmos assuntos a seguirem a tua página para poderem acompanhar.

       

      Desta forma, os teus amigos não se vão sentir mal por não gostarem da tua página e, pelo menos na sua maior parte, só irão gostar e seguir se tiverem um genuíno interesse no teu negócio.

       

      2 – Partilha a tua página em grupos indicados para o teu cliente ideal

      O teu cliente ideal frequenta grupos no Facebook e lá sim, poderás encontrar pessoas que têm realmente interesse naquilo que tu fazes. Então divulga a tua nova página em grupos onde aches que o teu cliente ideal passa o seu tempo.

       

      Mas tem cuidado: nem todos os grupos permitem a divulgação de páginas, por isso começa por ler as regras de cada grupo para perceberes se o podes fazer. Em caso de dúvidas, o ideal é mesmo perguntar aos administradores dos grupos se esse tipo de divulgações é permitido.

       

      3 – Usa os anúncios do Facebook

      Podes aproveitar os anúncios do Facebook para que a tua página seja mostrada a utilizadores que tenham o perfil do teu cliente ideal. Mas tem muito cuidado: a segmentação dos teus anúncios deverá ser muito bem feita. Caso contrário, corres o risco de acabar com seguidores que não são os mais indicados e acabas por ter o mesmo problema de que já falámos no caso dos teus amigos – com a agravante de que agora estás a gastar dinheiro!

       

      Por isso começa por perceber muito bem como podes segmentar os teus anúncios de forma a não deitares dinheiro ao lixo e não acabares com um número grande de seguidores que são, também eles, lixo (pelo menos para a tua página). Em caso de dúvidas, o melhor pode ser mesmo contratar um especialista em anúncios do Facebook.

       

      Atenção! Há algo que tem de ser feito antes disto tudo!

      Como podes ter percebido, se quiseres executar os passos que indiquei acima, há uma coisa que tens de saber muito bem primeiro. Quem é o teu cliente ideal? Sem essa informação, será difícil selecionares grupos para divulgar o teu negócio e também não será evidente como deverás segmentar a audiência dos teus anúncios. Por isso, caso ainda não o tenhas feito, o primeiro passo terá de passar pela definição do perfil do teu cliente ideal, que pode ser englobado numa estratégia mais ampla de conteúdos e redes sociais.

       

      Diz-me, nos comentários, se já passaste por estas dificuldades depois de convidares amigos para gostarem a tua página e conta-me se já tens bem presente o perfil do teu cliente ideal.

       

      É a tendência natural: quando se tem uma página do Facebook nova e sem seguidores pede-se aos amigos para gostarem da página. Vê aqui por que motivos isso pode ser um erro!

    • 6 tipos de empreendedores criativos

      Empreendedores criativos

       

      Talvez já tenhas reparado que a página inicial deste website refere conteúdos de marketing, business e life skills para Empreendedores Criativos. É mesmo esta a classe profissional que acredito possa ter mais interesse nos meus artigos – mas atenção, se não fores empreendedor criativo e estiveres a gostar, podes muito bem ficar desse lado!

       

      Mas afinal, o que é isso de Empreendedor Criativo?, podem perguntar algumas pessoas. E eu passo a explicar.

       

      Segundo a Wikipedia, a diferença entre os empreendedores criativos e os restantes é que estes se focam na criação e exploração de capital criativo e intelectual e são, essencialmente, investidores em talento – o deles e o de outras pessoas.

       

      Segundo a mesma página, apesar de já haver empreendedores criativos há séculos – como joalheiros artesanais ou poetas profissionais – este termos está mais em voga desde meados do século XX, quando se começou a observar uma mudança em direção a uma economia do conhecimento (aquela que usa o conhecimento para gerar valor) e a uma sociedade da informação (aquela em que criação, distribuição, uso, integração e manipulação da informação são atividades económicas, políticas e culturais significativas). Nesta nova era, as velhas regras dos negócios baseados na industrialização já não se aplicam.

       

      Segundo o economista Richard E. Caves, algumas características que distinguem as atividades criativas de outros setores económicos são:

      – A procura é incerta

      – Os criativos preocupam-se com o seu produto

      – Alguns produtos criativos requerem skills diversificadas

      – Os produtos são diferenciados e com infinita variedade

      – Skills diferenciadas verticalmente (ou seja, pequenas diferenças em habilidade podem gerar grandes diferenças de valor)

      – O tempo urge

      – Durabilidade dos produtos e dos rendimentos (por exemplo, direitos de copyright continuam a gerar rendimento muito depois do produto lançado – exemplo: livros)

       

      O Department for Culture, Media and Sports do Reino Unido define indústrias criativas como “aquelas que têm origem em criatividade, habilidade e talento individuais e que têm potencial para gerar riqueza e emprego através da criação e exploração de propriedade intelectual” (tradução livre minha).

      Em 2015, o mesmo departamento reconheceu nove setores criativos, nomeadamente:

      – Publicidade e Marketing

      – Arquitetura

      – Artesanato

      – Design (gráfico, de produto e de moda)

      – Cinema, TV, vídeo, rádio e fotografia

      – Serviços de IT, software e computação

      – Publicação editorial

      – Museus, galerias e bibliotecas

      – Música, artes performativas e artes visuais

       

      A esta lista, o autor John Howkins acrescenta a indústria dos brinquedos e jogos, bem como a área mais alargada de investigação e desenvolvimento em ciência e tecnologia.

       

      Já segundo Richard Florida, existe uma classe socio-económica a que ele chama de classe criativa, que constitui uma força motora para o desenvolvimento económico (localizações com maior concentração de elementos da classe criativa são economicamente mais avançadas), e que é composta por:

      – Core super-criativo: este grupo incluí uma gama alargada de ocupações, desde as ciências, engenharia, educação, programação de computadores, investigação, até às artes, design e media.

      – Profissionais criativos: profissionais que trabalham nas áreas clássicas do conhecimento, como a saúde, os negócios e finanças, o direito e a educação. Baseiam-se em conjuntos complexos de conhecimentos para resolver problemas específicos.

       

      Mas chega de teoria, vamos então aos 6 principais tipos de empreendedores criativos!

       

      1 – O Educador

      Ou thought-leader, usa informação para ensinar outras pessoas algo específico. Desde cozinhar, escrever ou pintar, a temas de negócios, marketing ou outros. Este ensino pode ocorrer presencialmente, em workshops ou formações, ou online através de blogs, vídeos, podcasts, sejam os recursos gratuitos ou na forma de cursos pagos.

       

      O mais típico é que o educador partilhe algum do seu conhecimento de forma gratuita, não só para ganhar a confiança de quem o acompanha como para ajudar aqueles que não podem comprar os seus produtos ou acompanhamento, e reserve o seu conhecimento mais aprofundado para quando os consumidores estão dispostos a investir em cursos ou ensino personalizado.

       

      2 – O Freelancer

      O freelancer vende o seu tempo e as suas habilidades e talentos para prestar um serviço a quem compra. São especialistas num determinado tema. Este tipo de serviços cobre uma grande variedade de necessidades, como design (gráfico, web), copywriting, fotografia, produção de vídeo, gestão de redes sociais, gestão de projetos, entre outros.

       

      Este tipo de criativos costuma apresentar algum do seu trabalho já realizado na forma de um portfólio, de modo a demonstrar as suas capacidades, mas cada vez mais usam também a partilha de conteúdos úteis do seu domínio para ganharem a confiança de quem os segue.

       

      3 – O Coach

      Estes empreendedores são normalmente muito empáticos e colocam-se com facilidade no lugar do outro. Ajudam a encontrar e amplificar o potencial de quem os contrata. Podem encontrar-se com os seus clientes presencialmente ou online e a gama de preços abrange praticamente todo o espetro imaginável.

       

      Estes especialistas também costumam aproveitar os conteúdos que partilham, quer sejam de sua autoria ou curados de outras fontes, para inspirar, motivar e promover o desenvolvimento pessoal e profissional de quem os segue.

       

      4 – O Artista

      O Artista cria bens palpáveis, como joalheria, artigos de decoração, roupas, estacionário, velas, quadros, etc.

       

      O que mais influencia as suas vendas é a produção de artigos que um determinado público tenha interesse em comprar. A partilha de detalhes sobre a sua arte ou de pormenores de “behind the scenes” ajuda também a que o público estabeleça uma relação de maior proximidade com eles.

       

      5 – O Curador

      O Curador tem a habilidade de encontrar e selecionar produtos que outras empresas produzem, e vendê-los a quem os procura. Estes empreendedores procuram produtos nos quais acreditam e que estejam alinhados com a sua marca.

       

      Precisam de ter uma grande capacidade de selecionar e atingir o seu público ideal.

       

      6 – O Entertainer

      Estes empreendedores criativos produzem conteúdos que outras pessoas querem consumir, sob vários formatos, como artigos de blogs, vídeos de Youtube, podcasts, livros, música ou artes performativas.

       

      As suas fontes principais de rendimento são a venda de bilhetes para os seus eventos ao vivo, direitos de copyright, bem como a venda de espaço publicitário e patrocínios. Para terem sucesso, precisam de grandes audiências dispostas a dar-lhes atenção.

       

       

      E aqui tens, o meu resumo do empreendedorismo criativo.

       

      Que tipo de empreendedor criativo és tu? Ou, se ainda não és nenhum destes, qual pretendes vir a ser no futuro?

       

      Sabes o que são empreendedores criativos? Desde educadores, a freelancers, coaches, artistas ou entertainers, todos eles pertencem à chamada classe criativa.