Filipa Maia

Instagram Feed

    Março 2018

    Monthly Archives

    • Os 3 maiores erros que podes estar a cometer no teu negócio online

      Erros no negócio online

       

      Fico triste sempre que me deparo com pequenos negócios que estão a cometer estes erros no mundo digital. E fico triste porque sei que poderiam estar a conseguir muito mais se mudassem apenas estas três coisas, que nem são assim tão complicadas.

       

      1 – Não tens um website

      Este é provavelmente o erro mais grave no digital.

       

      “Mas tenho uma página no Facebook, não chega?” pergunta normalmente quem não tem um site.

       

      Não, não chega!

       

      O teu website é a tua montra, é a ferramenta que mais potencial tem para mostrar ao mundo quem és e o que fazes. Lá podes apostar num design que seja apelativo ao teu cliente ideal e podes apostar em conteúdos fortes. Podes fazer um bom trabalho de SEO para que mais potenciais clientes te encontrem e mergulhem no teu mundo.

       

      Num website podes dar aos visitantes muitos mais detalhes sobre os teus produtos ou serviços e sobre quem é a tua marca e o que ela representa, podes encaminhá-los para as tuas outras redes sociais, podes (e deves) publicar regularmente conteúdos que sejam úteis para quem te acompanha.

       

      Com um website podes ter um feed RSS para que as pessoas facilmente consigam acompanhar os teus conteúdos se gostarem do que estás a fazer, enquanto que o Facebook, como todos já sabemos, apenas mostra as tuas publicações de forma orgânica a uma percentagem muito reduzida dos teus seguidores.

       

      Além disso, podes ainda convidar os teus visitantes a subscreverem a tua newsletter para que possas facilmente entrar em contacto com eles. Sim, também podes colocar um formulário para subscrição da tua newsletter no Facebook, mas aí terás de confiar que as pessoas visitarão esse separador específico da tua página, e quantas achas que o farão? Poucas, pois.

       

      Mas espera, não estás preocupado com isso porque não tens uma newsletter? Então passemos ao segundo erro…

       

      2 – Não tens uma newsletter

      Claro que o segundo erro é não ter uma newsletter. Como assim, ainda não tens uma newsletter?

       

      Mas vamos por partes.

       

      Já alguma vez reparaste no número de pessoas que consegues atingir com uma publicação no Facebook (se não investires dinheiro a promovê-lo)? Pois, não são muitas.

       

      Também já deves ter notado a quantidade de vezes que o algoritmo muda, normalmente para dar menos exposição ainda às páginas?

       

      Além disso, e se os teus seguidores começarem a fartar-se do Facebook e deixarem de o consultar?

       

      Estes mesmos argumentos podem ser válidos para as restantes redes sociais. Mas com uma newsletter ficas com o contacto direto do teu potencial cliente, as taxas de abertura das campanhas são muito superiores ao alcance das publicações nas redes sociais e ainda tens a possibilidade de fazer coisas muito interessantes, como segmentar os teus contactos, enviar sequências de emails automáticas e até iniciar uma conversa direta em privado com qualquer subscritor.

       

      3 – Não tens uma estratégia de conteúdos

      Sim, o conteúdo é rei, como se costuma dizer, mas sem uma estratégia adequada não te vai levar longe. Os teus conteúdos precisam de:

      – cumprir objetivos

      – usar um tom de voz consistente com a personalidade da marca e direcionado ao teu cliente ideal

      – ser alvo de análise de resultados.

       

      Tudo isto é fundamental para que os teus conteúdos de tragam resultados. A criação de conteúdos é algo que dá trabalho, exige tempo e recursos, e publicar só por publicar significa que apenas vais andar a perder o teu tempo.

       

      Por outro lado, se tiveres uma boa estratégia, os conteúdos podem trazer-te um público atento, interessado no que tu tens para partilhar, que cria uma relação de muito maior proximidade contigo e que, por isso, está muito mais pronto para comprar o que tu tens para vender.

       

       

      Percebo que possas ainda não ter tratado disto por falta de tempo ou até por falta de conhecimentos tecnológicos para o fazer. Mas a verdade é que não precisas de ser tu a fazer tudo no teu negócio. Talvez as horas que terias de despender para executar tudo isto sirvam melhor o teu negócio se forem aplicadas noutras coisas que tu fazes melhor e é por isso que deves delegar. Se também tu estás a cometer um destes erros, corrige-o o quanto antes!

       

      Vejo muitas vezes pequenos negócios a cometerem estes erros no seu negócio e no marketing online, principalmente coaches. São coisas não muito difíceis de corrigir, por isso trata disso o quanto antes!

    • 7 Hábitos de bem-estar para empreendedores criativos

      Bem-estar para empreendedores criativos

       

      Quando estás a tentar arrancar com um negócio novo, é fácil deixar de dar atenção a algumas necessidades básicas, talvez exatamente porque elas parecem tudo menos básicas quando há tantas coisas que o teu negócio precisa que faças.

       

      Por outro lado, quando já estás numa fase mais avançada do negócio, seria de esperar que já tivesses conseguido encontrar o teu equilíbrio, mas nem sempre isso acontece. Por vezes tens tanto trabalho – e convenhamos, uma carteira cheia de clientes é tudo o que sempre quiseste, por isso não nos vamos queixar, certo? – que fica ainda mais difícil conseguir arranjar tempo para o teu próprio bem-estar.

       

      Eu compreendo. Também eu já fui culpada disto. Nem sempre é fácil discernir as prioridades quando aquilo que mais precisamos é de clientes e de ver dinheiro a entrar na conta. E não sei quantas vezes já me aconteceu postar imagens de livros ou falar de caminhadas nas minhas redes sociais e receber comentários de empreendedores que dizem “deste lado não há tempo para isso”. E eu fico feliz que tenham tanto que fazer, é tão bom sinal!

       

      O problema é que depois acontecem coisas como burn-out ou bloqueios de criatividade. E aí quem é que vai fazer avançar os vossos negócios ou tratar do trabalho para os vossos clientes? Pois… Dá que pensar, não dá?

       

      Quanto a mim, existem hábitos básicos de bem-estar que ninguém deve deixar cair. Deixo-te aqui ficar os sete que considero mais importantes.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

       

      1 – Ritual matinal

      A forma como começas o teu dia determina todo o resto do teu dia. Já vários autores, empreendedores e outros famosos falaram disto (alguns exemplos são Tony Robbins, Tim Ferriss ou Barack Obama) e eu concordo plenamente. De manhã cedo é o período ideal para fazeres aquelas coisas que só te dizem respeito a ti. Vê o teu ritual matinal como um espaço só teu, só para ti.

       

      Seja para fazeres a tua meditação, o teu exercício físico, para leres ou fazeres journaling, ou apenas para reveres as tarefas que tens de atacar nesse dia e organizares a tua vida. A última coisa que deves fazer é começar o dia numa correria e sem alguma intenção bem definida.

       

      Podes ter um ritual matinal de 15 minutos ou de duas horas, tudo vai depender de ti, daquilo que pretendes fazer e da tua intenção. Mas não deixes de estabelecer um que funcione para ti e começa a arrancar o teu dia com intenção.

       

      2 – Faz uma coisa que adores (fora do trabalho)

      Ou seja, tem um hobbie! Ter algo que te deixa mesmo animado e que não está nada relacionado com o teu trabalho é mesmo essencial. Pode até ser que o teu negócio tenha começado com um hobbie. Mas se agora é um negócio, precisas de um novo hobbie. Um que seja mesmo só um hobbie.

       

      Como criativo que és, precisas de desligar a cabeça. Precisas de algo que te permita desfrutar e passar um bocado divertido sem a pressão de ter de originar um rendimento. Pode ser o que quiseres, desde desporto, até à escrita, passando por voluntariado, ou simplesmente ler ou colorir aqueles livros de pintar para adultos. Tudo serve, desde que te divirtas e não esteja relacionado com trabalho!

       

      3 – Muda de ambiente de vez em quando

      Pode ser uma viagem a outra cidade ou mesmo outro país. Ou pode apenas ser o facto de ires trabalhar uma tarde para um sítio diferente, um café, por exemplo. A ideia é ver coisas novas, ver ambientes e pessoas diferentes.

       

      Muitas vezes, sentimo-nos a passar por um momento de menor criatividade e, quando damos conta, reparamos que estamos há dias a trabalhar a partir de casa (ou do escritório), só saímos daquele ambiente para ir ao ginásio ou fazer as compras da semana, vemos sempre as mesmas pessoas e ainda ficamos admirados.

       

      Muitas pessoas pensam que a criatividade é apenas a criação de ideias novas. Mas não se restringe a isso – há até quem defenda que já não há ideias novas. A criatividade é, isso sim, a associação de duas ou mais ideias pré-existentes de uma forma nova e única. Por isso, se queres ser criativo, tem de haver um input de novas ideias na tua vida e nem sempre é suficiente receber esse input via online. Também precisas de ver novos ambientes offline.

       

      Se tiveres um negócio que funciona estritamente online, então tens ainda mais sorte e podes até viajar para outra cidade e continuar a trabalhar a partir de lá. Mas mesmo que isso não seja possível para ti, não deixes de visitar sítios novos na tua própria cidade. Vais ver que só te vai fazer bem!

       

      4 – Celebra todas as tuas vitórias

      És um empreendedor, de certeza que já conseguiste coisas fantásticas pelo caminho. Quando foi a última vez que paraste para celebrar uma das tuas vitórias? Ou quando tens uma vitória partes logo para o objetivo seguinte sem sequer te congratulares?

       

      Eu percebo que os nossos objetivos estão sempre a avançar. Mal alcançamos um e já estamos a pensar no seguinte. Eu própria já fui culpada disso, e por vezes ainda sou. Mas é muito importante celebrar os objetivos atingidos, mesmo que face ao objetivo seguinte possam parecer pequenos.

       

      A questão é que precisamente por estabelecermos sempre objetivos maiores do que os anteriores, provavelmente nunca vamos atingir uma linha da meta. Vamos estar sempre a tentar alcançar algo mais. Quanto a mim, não há mal nenhum que assim seja. Mas se aceitarmos isso, significa que nunca vamos celebrar o alcance do último objetivo. Por isso mesmo, temos de ir celebrando pelo caminho, ou corremos o risco de deixarmos de nos divertir com o nosso trabalho.

       

      Por isso da próxima vez que atingires uma meta ou um objetivo, por mais pequenos que sejam, não te esqueças de celebrar. Faz algo especial por ti!

       

      5 – Mexe o teu corpo

      O que tens feito para tratar do teu corpo? Ou andas tão ocupado que nem tens tempo para isso? Claro que tens mais trabalho para fazer do que alguma vez imaginaste que fosse possível, mas de certeza que há partes do teu trabalho que podem esperar para que consigas tratar de ti.

       

      Com os estilos de vida altamente sedentários que temos nos dias de hoje, principalmente se a maior parte do teu trabalho for feita ao computador, precisamos mesmo de contrabalançar todas as horas que passamos sentados com algum movimento.

       

      Não ignores que o teu corpo precisa de atenção! É o único que tens para o resto da vida, enquanto que negócios podes ter muitos!

       

      6 – Medita

      Voltamos ao tema de que a tua mente precisa de pausas frequentes.

       

      Se nunca experimentaste meditar ou se és daquelas pessoas que acham que são demasiado irrequietas para conseguirem meditar, peço-te que tentes apenas durante uns dias, por 5 minutos.

       

      No meu caso, a meditação ajuda a conseguir maiores níveis de concentração e também sinto que estimula a minha criatividade. Consigo pensar com mais clareza e ajuda-me a viver de uma forma mais pausada.

       

      Há diversas apps que podes experimentar para começares, como por exemplo a Calm, a Headspace (ambas com free trials disponíveis) ou a Insight Timer (totalmente gratuita). Começa com 5 minutos, todos os dias, durante uma semana e depois vê como te sentes – e não acredito que não tenhas 5 minutos (se não tiveres, talvez esteja na hora de repensares alguns aspetos da tua vida).

       

      7 – Alimenta-te bem

      A frase “tu és o que comes” é mesmo verdade (mesmo, fisicamente, verdade). Mas para além do teu corpo físico, também a tua mente é afetada pelos alimentos que ingeres (basta pensares no que acontece no dia a seguir a ingerires demasiado álcool e percebes que isto é bem verdade).

       

      A nossa alimentação pode afetar a nossa clareza de pensamento, o nosso cansaço, a nossa sonolência e nossa capacidade de problem-solving. Para além disso, também pode ter impacto na nossa irritabilidade, ansiedade e até mesmo na nossa fome.

       

      Tenta alimentar-te, pelo menos na maior parte das vezes, de forma saudável, escolhendo essencialmente alimentos não processados, sem adição de açúcar e que te façam sentir no teu melhor. Vai estando atento ao teu estado diário e tenta correlacionar com o que andas a comer, de forma a tirares algumas pistas em relação ao que funciona melhor para ti.

       

       

      Há algum destes hábitos que esteja em falta na tua vida? Se forem vários aqueles que não tens o hábito de praticar, pode ser que neste momento te estejas a sentir algo assoberbado. Não há razão para isso. Escolhe apenas um e trabalha apenas nesse até sentires que já o fazes sem esforço. Depois passa para o seguinte.

       

      A implementação de hábitos não é algo que aconteça de um momento para o outro, por isso vai com calma e começa aos pouquinhos. Vais ver que com o passar do tempo, e se te mantiveres atento e empenhado, o teu bem-estar vai aumentar significativamente.

       

      Tens dado atenção ao teu bem-estar? Enquanto empreendedor criativo, há hábitos que deves assegurar para conseguires manter a máquina a funcionar (já agora, a máquina és tu!)

    • 5 Ferramentas essenciais para uma melhor gestão de tempo

      Gestão de tempo

       

      Se há coisa que aprendi nos últimos tempos, com vários projetos pessoais e o lançamento do meu próprio negócio, enquanto mantenho alguns hobbies e uma vida para além do que se passa online, foi a gerir muito bem o meu tempo.

       

      As coisas não se fazem sozinhas e levam o seu tempo. Se não soubermos muito bem o que fazer com o tempo que temos, é garantido que as coisas vão começar a correr mal.

       

      Hoje deixo-te algumas ferramentas que podem ajudar-te a fazer uma melhor gestão do teu tempo, assim como várias alternativas de implementação.

       

      Também podes ver o vídeo:

       

      1 – Uma ferramenta de gestão de tarefas/projetos

      Esta é uma ferramenta que vai permitir-te manter um registo de todas as tuas tarefas. A maior parte das opções que existem permite fazer uma divisão dessas tarefas por diferentes projetos, atribuir datas limite para a sua execução e, no caso de teres uma equipa, atribuir diferentes responsáveis para cada tarefa.

       

      Há várias ferramentas que podes escolher. Algumas das mais conhecidas são:

      Trello

      Asana

      Todoist

      Airtable

       

      Todas elas são ou têm versões gratuitas pelo que recomendo que experimentes cada uma para veres qual funciona melhor para ti.

       

      Se não gostares de nenhuma delas, tens ainda mais uma hipótese:

      – Excel

       

      Sim, podes simplesmente manter a tua lista de tarefas num ficheiro Excel. Confesso que é a ferramenta que uso. Tendo já experimentado várias, chego sempre à conclusão que esta é a que funciona melhor para mim.

       

      Daí eu gostar de salientar a importância de experimentares várias alternativas e perceberes o que funciona melhor para ti. Não somos todos iguais e sei que há pessoas que nem sequer conseguem ver o Excel à sua frente, enquanto eu não sei funcionar sem ele. Cada um com as suas manias! (e ferramentas!) E alguns de nós não precisam de ferramentas muito sofisticadas, uma simples folha de Excel chega.

       

      (Nota: O Airtable é uma ferramenta que permite fazer muitas mais coisas do que gestão de tarefas. Recomendo fortemente que explores esta opção. Podes começar por ver este vídeo para perceberes qual a melhor forma de a aplicares a ao teu negócio)

       

      2 – Uma ferramenta de recolha de notas

      Como empreendedores criativos, podemos ter uma ideia nova a qualquer momento. Arriscaria até dizer que, na maior parte das vezes, as melhores ideias surgem quando não estamos junto ao computador.

       

      Por isso, é muito importante teres sempre contigo uma ferramenta para poderes tirar notas sobre as tuas ideias a qualquer momento. Acredita que se não fizeres logo uma nota, o mais provável é esqueceres a tua ideia brilhante!

       

      Esta ferramenta pode ser um simples bloco de notas. Mas se for, não te esqueças que ele tem de andar sempre contigo, sem exceção.

       

      Por outro lado, todos nós andamos com os nossos smartphones para todo o lado – e até nos sentimos “despidos” se por acaso nos esquecermos dele. Então usar uma app no smartphone é uma excelente alternativa.

       

      Há muitas por onde escolher. Desde a bloco de notas do teu telefone, a outras criadas para o efeito. Por exemplo:

      Google Keep – para além da app podes usar o widget

      Google Docs

      OneNote – para quem tiver o office

      Evernote

      Simplenote

      Zoho Notebook

       

      Estes são apenas alguns exemplos, mas existem muitos mais.

       

      Eu gosto de usar o Evernote e faço quase tudo lá (incluindo a escrita de artigos como este). Gosto da simplicidade da app e da rapidez com que sincroniza entre diferentes dispositivos. Também uso o Google Docs, essencialmente quando preciso de partilhar conteúdos com outras pessoas (para parcerias ou trabalhos em equipa).

       

      Mas mais uma vez, o ideal é ires experimentando vários para perceberes o que funciona melhor para ti.

       

      3 – Uma ferramenta de agendamento de publicações

      Esta poderá ser uma das ferramentas mais importantes para a tua gestão de tempo e para o teu negócio.

       

      Deixa-me primeiro explicar que sempre que mudamos de tarefa a nossa concentração cai a pique. Por isso mesmo, é importante, para uma gestão de tempo eficaz, realizar tarefas em batch, evitando assim mudanças frequentes de foco. O que é isso de realizar tarefas em batch? Trata-se de reunir tarefas semelhantes num conjunto e fazê-las todas de seguida.

       

      Como exemplo, para a criação de posts para um blog , passamos por diferentes fases:

      – pesquisa sobre o tópico que vamos escrever

      – escrita propriamente dita

      – revisão e edição do que escrevemos

      – preparação de imagens e gráficos a incluir no post

      – preparação e agendamento da publicação

       

      Se realizarmos estas tarefas em batch significa que não vamos concentrar-nos apenas num post e fazer tudo isto de forma sequencial mas, em vez disso, tratar logo de 3 ou 4 posts diferentes, e fazer cada uma das tarefas por conjuntos, ou seja, fazemos logo a pesquisa para os 4 posts – nesta fase, temos um browser aberto e estamos apenas focados na pesquisa e em tirar as notas necessárias -, de seguida escrevemos todos sem nos preocuparmos com a revisão, e assim consecutivamente.

       

      Da mesma forma, é muito mais eficiente agendares várias publicação nas redes sociais apenas numa única sessão de trabalho. É certo que pode não ser possível fazê-lo para todas, até porque é bom teres algumas publicações espontâneas e feitas no momento, mas quantas mais puderes antecipar, mais vais conseguir simplificar a tua vida.

       

      Algumas redes sociais, como o Facebook, permitem fazer o agendamento de publicações diretamente na plataforma ou na app. Para outras, terás de usar aplicações externas. Alguns exemplos são:

      Buffer

      Later

      Crowdfire

      Planoly – apenas para Instagram

      CoSchedule – o única desta lista que não tem versão gratuita (apesar de ter um free trial que podes experimentar durante um mês)

       

      Eu uso todas estas, dependendo da situação. Mas, como nos pontos anteriores, estes são apenas alguns exemplos de entre as dezenas de ferramentas que existem para este efeito.

       

      4 – Um bloqueador da internet

      Porque todos temos muita força de vontade… até ao momento em que deixamos de ter.

       

      Este tipo de ferramentas é excelente para quando precisamos de nos manter focados numa determinada tarefa mas sabemos que temos dificuldade em deixar a internet e as redes sociais em paz. Todos sabemos que já fomos culpados disto: devíamos estar a trabalhar mas acabamos por perder meia hora no Facebook… (ou no Pinterest, no meu caso!)

       

      A minha recomendação é usar a extensão do Chrome StayFocusd. Esta extensão permite executar algumas variações de bloqueio da internet, como bloquear um determinado site por um período de tempo, bloquear toda a internet, ou então definir um horário no qual um site ou toda a internet fica bloqueada. Quando aqui falo em “toda a internet” importa frisar que é possível definir uma lista de sites que fiquem livres deste bloqueio, no caso de eles serem essenciais ao teu trabalho. Esta extensão é totalmente gratuita.

       

      Outra alternativa é o ColdTurkey, que tem soluções para computador e smartphone e também é muito costumizável (mais ainda na versão paga), tanto em termos de blocos de tempo como de listas de websites.

       

      Para smartphones, a app Freedom também é muito conhecida, mas esta apenas tem versões pagas, após um free trial que permite fazer 7 bloqueios.

       

      5 – Google Calendar

      Ou qualquer calendário digital, claro, mas uma vez que hoje em dia todos temos uma conta Google, esta será a solução mais prática, para além de permitir fazer quase tudo, como definir notificações, atribuir cores a diferentes projetos ou arrastar as tarefas de um lado para o outro de forma a organizá-las da melhor forma – ou re-organizar quando surgem imprevistos!

       

      Uma das minhas filosofias de vida é: se não está no calendário, não vai acontecer. E isto não é verdade apenas para reuniões ou eventos, é verdade para toda e qualquer tarefa. Sim, eu coloco todas as minhas tarefas no calendário (até dormir!)

       

      Para mim, uma to-do list não chega. Porque a gestão de tarefas e a gestão de tempo não se podem fazer de forma separada. Todas as tarefas estão associadas a tempo, por isso a sua execução não vive sem o seu planeamento no calendário.

       

      Para fazer isto há duas peças chave:

      – A primeira é fazer uma estimativa de quanto tempo cada tarefa vai levar a executar. Nem sempre é fácil e depende de quanta experiência temos com cada tarefa, mas com o tempo vamos aprendendo a fazê-lo de forma cada vez mais acertada. E muito pior do que estimar mal o tempo que cada tarefa vai levar é não fazer qualquer estimativa e acreditar que conseguimos fazer uma infinidade de tarefas em apenas uma semana, o que torna impossível qualquer tipo de organização ou de gestão de tempo.

      – A segunda é reservar algum do nosso tempo para fazer esta gestão. Ou seja, o planeamento de tarefas é, por si só, uma tarefa que devemos considerar. Eu, por exemplo, faço-o semanalmente, normalmente ao domingo. Reservo uma hora apenas para organizar as tarefas e o calendário da semana seguinte (apesar de normalmente até demorar um bocadinho menos).

       

      Para uma boa gestão de tempo, habitua-te a colocar tudo no teu calendário, mesmo os períodos de lazer ou de self-care, como o exercício físico ou a meditação.

       

      Bonus – Um time tracker

      Com certeza que nem todos precisarão, mas se para ti for imperativo saber quanto tempo passas em cada projeto, seja por teres de comunicar isso aos teus clientes, ou mesmo para a tua própria organização e otimização de tempo, há ferramentas que te ajudam a fazer isso, pelo menos com o tempo que passas ao computador.

       

      Para isso, sugiro duas alternativas:

      Toggl – permite a integração com o Trello, por isso se tiveres as tuas tarefas listadas no Trello, basta ires à tarefa que estás a iniciar, clicar no botão do Toggle e o tempo começa a contar, já atribuído àquele determinado projeto. Cuidado para não te esqueceres de ir lá terminar a tarefa ou o tempo fica a contar indefinidamente!

      Rescuetime – tem a vantagem de contabilizar automaticamente quanto tempo passas a usar cada aplicação ou website,

       

       

      E tu, tens alguma estratégia de gestão de tempo que queiras partilhar? Deixa nos comentários para todos podermos aprender mais!

       

       

      Todos queremos uma melhor gestão de tempo e, felizmente, há várias ferramentas que nos podem ajudar. Fica com as minhas 5 essenciais.